Dissertações e Teses
  • 1984-12 A Questão Habitacional no Rio de Janeiro da Primeira República: 1889 - 1930.
    Título
    A Questão Habitacional no Rio de Janeiro da Primeira República: 1889 - 1930.
    Autor
    Francisco Carlos da Fonseca Elia
    Orientador(a)
    Victor Vincent Valla
    Data de Defesa
    1984-12-17
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    159
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Ismênia de Lima Martins
    Victor Vincent Valla

    Resumo
    A questão habitacional na Primeira República e a constituição de uma problemática habitacional constituem o tema central desta pesquisa. A temática, contudo, é mais ampla e implica uma reflexão sobre a cidade do Rio de Janeiro do início do século, espaço e tempo privilegiados de disputa entre seus habitantes. Segundo o autor, essa disputa teve um caráter eminentemente classista. O que, acrescenta, não significa ser possível reduzi-la a um determinante de caráter puramente econômico.
  • 1984-12 As Práticas da Justiça no Cotidiano da Pobreza: Um Estudo Sobre o Amor, Trabalho e a Riqueza Através dos Processos Penais.
    Título
    As Práticas da Justiça no Cotidiano da Pobreza: Um Estudo Sobre o Amor, Trabalho e a Riqueza Através dos Processos Penais.
    Autor
    Celeste Maria Baitelli Zenha Guimarães
    Orientador(a)
    Maria Yedda Leite Linhares
    Data de Defesa
    1984-12-07
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    267
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Maria Yedda Leite Linhares
    Peter Henry Fry
    Robert Wayne Andrew Slenes

    Resumo
    Aborda o poder judiciário como um conjunto de práticas que podem ser acionadas pela população, tendo como principal objetivo a análise dos procedimentos que eram utilizados na produção de um criminoso através dos processos penais. Essa questão remete a autora a uma outra, mais ampla: a de como a justiça era exercitada cotidianamente no Império. Capivary é um exemplo de como uma determinada população pode acionar o poder judiciário. Tornou-se então possível conhecer, no âmbito local, os grupos sociais que recorreram mais efetivamente a este poder como uma estratégia de luta. Além disso, foram delimitados os demais poderes que marcaram o exercício da justiça na comunidade. Ao processos penais arquivados no Forum de Silva Jardim foram as principais fontes utilizadas
  • 1984-12 Turco Pobre, Sírio Remediado, Libanês Rico: A Trajetória do Imigrante Libanês no Espírito Santo (1910 - 1940).
    Título
    Turco Pobre, Sírio Remediado, Libanês Rico: A Trajetória do Imigrante Libanês no Espírito Santo (1910 - 1940).
    Autor
    Mintaha Alcuri Campos
    Orientador(a)
    Ronny Leroy Seckinger
    Data de Defesa
    1984-12-07
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    182
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Ronny Leroy Seckinger
    Victor Vincent Valla

    Resumo
    Examina as razões que motivaram libanesa para o Espírito Santo, a integração do libanês no mundo do trabalho, seus caminhos de mobilidade social, bem como seu processo de adaptação à cultura brasileira. Baseia-se na coleta de dados em arquivos e jornais de Vitória, Cachoeira de Itapemirim e Alegre. Recorre também a entrevistas com imigrantes libaneses e suas famílias. Concentra-se nos anos 1910 a 1940, período de maior influxo de imigrantes libaneses no Brasil.
  • 1984-11 O Queremismo na Redemocratização de 1945.
    Título
    O Queremismo na Redemocratização de 1945.
    Autor
    Elza Borghi de Almeida Cabral
    Orientador(a)
    Ismênia de Lima Martins
    Data de Defesa
    1984-11-12
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    225
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Ismênia de Lima Martins
    Victor Vincent Valla

    Resumo
    Demonstra que os problemas econ6omicos e sociais existentes na sociedade brasileira, acentuados pela Segunda Guerra Mundial, bem como a repercussão mundial das vitórias alcançadas pelas nações democráticas, criaram, em setores da classes médias e da burguesia - aí incluídos segmentos das Forças Armadas - um clima favorável para a derrubada da ditadura de Getúlio Vargas. O esforço desses setores redemocratização encontrou, contudo, resistência de parte das massas trabalhadoras urbanas que temeram que o afastamento de Vargas pudesse em perigo a vigência das leis trabalhistas por ele outorgadas. A autora lembra que o Queremismo - nome derivado da expressão Queremos Getúlio - foi o movimento de reivindicação dos trabalhadores pela permanência de Vargas no poder. Todas as correntes de opinião que se transformaram em partidos políticos na época foram afetadas com maior ou menor impacto pelo Queremismo. Vargas, se não incentivava abertamente o movimento, pelo menos aceitava o apoio das massas que lhe trazia, como importante instrumento de manobra para suas intenções continuístas. De movimento defensivo das leis trabalhistas, porém, o Queremismo passou a reivindicar a convocação de uma constituinte e terminou canalizando a massa trabalhadora para o Partido Trabalhista Brasileiro. O estudo avalia ainda os desdobramentos dessa opção.
  • 1984-10 Trabalho, Lar e Botequim: Vida Cotidiana e Controle Social da Classe Trabalhadora no Rio de Janeiro da Belle Époque.
    Título
    Trabalho, Lar e Botequim: Vida Cotidiana e Controle Social da Classe Trabalhadora no Rio de Janeiro da Belle Époque.
    Autor
    Sidney Chalhoub
    Orientador(a)
    Robert Wayne Andrew Slenes
    Data de Defesa
    1984-10-18
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    399
    Volumes
    Banca de Defesa
    Margarida de Souza Neves
    Maria Yedda Leite Linhares
    Robert Wayne Andrew Slenes

    Resumo
    Tem como referencial mais amplo o processo de constituição da ordem capitalista na cidade do Rio de Janeiro, aproximadamente entre 1870 - início do período terminante da crise do escravismo - e a conjuntura 1917-1920 - marco fundamental da história do movimento operário na Primeira República. Mais estritamente, a pesquisa trata da classe trabalhadora do Rio de Janeiro na primeira década do século XX, pois é neste período que se insere o episódio decisivo da administração do prefeito Pereira Passos, que, em estreita associação com o capital estrangeiro, realiza mudanças importantes na vida da cidade e praticamente completa o longo processo de implantação das relações sociais do tipo burguês-capitalista na capital da República. Investiga também a configuração de práticas ou mecanismos de controle social da classe trabalhadora típicos de uma sociedade capitalista na cidade no período estudado. Observe, finalmente, que este controle se exerce desde a tentativa de disciplinarização rígida do tempo e do espaço na situação de trabalho até o problema da normalização das relações pessoais ou familiares dos trabalhadores, passando, também, pela vigilância contínua do botequim e da rua, espaços consagrados ao lazer popular.
  • 1984-10 Capa Preta e Lurdinha: Tenório Cavalcanti e o Povo da Baixada.
    Título
    Capa Preta e Lurdinha: Tenório Cavalcanti e o Povo da Baixada.
    Autor
    Israel Beloch
    Orientador(a)
    Ismênia de Lima Martins
    Data de Defesa
    1984-10-01
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    221
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Ismênia de Lima Martins
    Maria Yedda Leite Linhares
    Victor Vincent Valla

    Resumo
    Aborda basicamente a carreira do líder popular Tenório Cavalcanti na Baixada Fluminense, o cinturão proletário da cidade do Rio de Janeiro. Tenório foi detentor de grande poder político e eleitoral entre 1945 e 1964, período da demogracia representativa no Brasil. Descreve-se, em primeiro lugar, a situação sócio-econômica de seu reduto, Duque de Caxias, município habitado principalmente por migrantes de origem rural, condição do próprio Tenório. Estuda-se então o comportamento de político fluminense, demonstrando como a associação entre violência e distribuição de favores, permitiram-lhe alcançar grande popularidade. Busca uma explicação para o fenômeno através do conceito de coronelismo, desenvolvido originalmente para a análise de sociedades rurais. Discute, por fim, o aparente paradoxo de filiação partidária de Tenório a uma UDN com características elitistas e conservadoras.
  • 1984-09 Contribuição ao Estudo da Transição do Escravismo Colonial Para o Capitalismo Urbano-Industrial no Rio de Janeiro: A Cia. Luz Steárica (1854 - 1898).
    Título
    Contribuição ao Estudo da Transição do Escravismo Colonial Para o Capitalismo Urbano-Industrial no Rio de Janeiro: A Cia. Luz Steárica (1854 - 1898).
    Autor
    José Jorge Siqueira
    Orientador(a)
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Data de Defesa
    1984-09-28
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    195
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Jacob Gorender

    Resumo
    Apresenta-se como uma contribuição ao estudo da transição do escravismo para o capitalismo urbano-industrial na cidade do Rio de Janeiro. Esta cidade foi o mais importante centro urbano, comercial e industrial do Brasil ao longo de toda a segunda metade do século XIX, período no qual se inicia o processo de transição. A questão da transição para o capitalismo no Brasil é assunto controverso, adverte o autor, pois envolve diferentes correntes teórico-metodológicas que chegaram a resultados igualmente diversos. Talvez, a própria opacidade do período - determinada pelas dificuldades na obtenção de dados empíricos sistematizados e confiáveis, e pela insuficiência dos estudos parciais - explique a ausência de consenso sobre período tão decisivo da trajetória histórica do país. Trata, este estudo, essencialmente da análise da trajetória da transição da fase manufatureira escravista, para a fase fabril-capitalista na Companhia Industrial Luz Steárica, fundada em 1854. Tendo a transição culminado em 1890.
  • 1984-09 Condições de Saúde e Prática Sanitária no Rio de Janeiro (1890 - 1934).
    Título
    Condições de Saúde e Prática Sanitária no Rio de Janeiro (1890 - 1934).
    Autor
    Regina Cele de Andrade Bodstein
    Orientador(a)
    Ismênia de Lima Martins
    Data de Defesa
    1984-09-10
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    187
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Ismênia de Lima Martins
    Victor Vincent Valla

    Resumo
    O estudo relaciona as condições de vida da força de trabalho urbana com a medicina social e as práticas sanitárias adotadas no Rio de Janeiro de 1890 a 1934. O desenvolvimento do campo de investigação das determinações sociais do processo saúde-doença sofreram influ6encia do estado capitalista, graças às suas preocupações em torno das questões higiênicas. Isso porque o padrão sanitário ameaçava seriamente os interesses econômicos do grupos dirigentes. Mas estas práticas, conclui a pesquisadora, não chegaram a representar os interesses básicos da população com relação às condições de saúde das cidades, o que vai gerar resistência popular sanitárias. Essas práticas, partindo das observações de Michel Foucault, são interpretadas como formas de controle das relações sociais vividas no espaço urbano. Considerações sobre como melhorar o padrão sanitário urbano justificaram, em última instância, os diversos projetos políticos de reforma urbana, argumenta a pesquisadora.
  • 1984-04 A Companhia Agrícola Usina Santa Maria, Estudo de Um Caso.
    Título
    A Companhia Agrícola Usina Santa Maria, Estudo de Um Caso.
    Autor
    Myrian Susana Stanley
    Orientador(a)
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Data de Defesa
    1984-04-13
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    192
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Ismênia de Lima Martins
    Maria Bárbara Levy

    Resumo
    Avalia a importância da Companhia Agrícola Usina Santa Maria S.A., fundada em 1923. De 1933 ao final do período em estudo, o ano de 1959, a companhia firmou-se e cresceu como empresa capitalista, tanto a nível industrial quanto agrícola, embora muito mais firmemente como indústria e especialmente como fábrica de açúcar - setor que proporcionava os mais altos lucros. Segundo a autora, a expansão agrícola da empresa aparece mais como decorrência natural dos êxitos do setor industrial e observa-se em todo o período, acrescenta, uma tendência marcante em privilegiar a produção industrial em detrimento da agrícola. A produção da companhia era dirigida ao mercado nacional e às vezes destinava-se também ao setor de exportação. Adotou mão de obra assalariada tanto para a indústria quanto para as lavouras, embora nem sempre as relações de produção pudessem ser definidas como foi possível sujeitar e controlar, por endividamento, a força de trabalho.
  • 1983-12 Estudo da Charqueada Escravista Gaúcha no Século XIX.
    Título
    Estudo da Charqueada Escravista Gaúcha no Século XIX.
    Autor
    Berenice Corsetti
    Orientador(a)
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Data de Defesa
    1983-12-09
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    343
    Volumes
    Banca de Defesa
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Robert Wayne Andrew Slenes

    Resumo
    Analisa o processo de desarticulação da charqueada escravista do Rio Grande do Sul, no século XIX, em função da existência de uma controvérsia na historiografia latino-americana relativa aos reflexos das concorrências entre as empresas rio-grandenses e os saladeros platinos. A autora parte de uma visualização de conjunto da economia gaúcha do século assado, estendendo-se aos setores de produção e comercialização do charque. Estabelece a vinculação desse processo de desarticulação com a qualidade inferior do produto rio-grandense e com a retração dos mercados de consumo decorrente da extinção do tráfico africano, em 1850.
  • 1983-12 Goiás 1800 - 1850: Um Período de Transição da Mineiração à Agropecuária.
    Título
    Goiás 1800 - 1850: Um Período de Transição da Mineiração à Agropecuária.
    Autor
    Eurípides Antônio Funes
    Orientador(a)
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Data de Defesa
    1983-12-07
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    169
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Luiz Palacín Gomes
    Robert Wayne Andrew Slenes

    Resumo
    Aborda a transição da mineração para a agropecuária que, o declínio da economia mineradora, se afirmou e fez de Goiás uma região essencialmente agro-pastoril. Durante o período minerador não houve em Goiás, escreve o autor, uma acumulação de capital capaz de garantir o crescimento econômico da região, o que determinou uma crise , provocando o surgimento de uma economia de subsistência e, conseqüentemente, desencadeando profundas alterações de produção até então predominantes. Em função da decadência da atividade mineradora, o sistema escravista que predominava em Goiás começou a se desarticular. A força de trabalho escrava que aí restava foi transferida para a agricultura - com pouco excedente comerciável - e para a pecuária - atividade que cada vez menos emprega o elemento escravo. Gradativamente, percebe-se que na Província, em meados do século XIX, surgem, em substituição ao trabalho escravo, novas relações de produção não-capitalistas fundamentadas no trabalho agregado e da unidade familiar.
  • 1983-10 Idéias Escravistas no Brasil Colonial.
    Título
    Idéias Escravistas no Brasil Colonial.
    Autor
    Ronaldo Vainfas
    Orientador(a)
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Data de Defesa
    1983-10-19
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    260
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Francisco José Calazans Falcon
    Maria Yedda Leite Linhares

    Resumo
    Estudo da ideologia escravista emergente no Brasil, baseado na análise das manifestações literárias produzidas entre meado do século XVI e meados do século XVIII. A preocupação básica foi avaliar os tipos de consciências sociais presentes naquelas manifestações, com destaques para as descontinuidades e permanências colocadas no tempo colonial, e também para os desacertos e aproximações entre a versão escravista dos letrados e aquela construída no quotidiano de senhores e escravos. Buscou-se, assim, refletir sobre o significado do silêncio ou da visão contemplativa que cercaram a situação escravista nas primeiras letras coloniais. Procurou-se, também, analisar o conteúdo ideológico das crônicas de Palmares e o caráter do projeto formulado pelos jesuítas e seus discípulos entre os séculos XVII e XVIII. Como metodologia, adota algumas técnicas do estudo de campos semânticos. Por outro lado, a pesquisa submete o conjunto dos textos a um elenco de categorias capazes de resumir e ordenar o essencial das idéias e das proposições.
  • 1983-08 A Ovelha Perdida e o Bom Pastor: O Reverso das Parábolas (Igreja, Estado e Camadas Populares na Cidade do Rio de Janeiro: 1921 - 1945).
    Título
    A Ovelha Perdida e o Bom Pastor: O Reverso das Parábolas (Igreja, Estado e Camadas Populares na Cidade do Rio de Janeiro: 1921 - 1945).
    Autor
    Silvio de Almeida Carvalho Filho
    Orientador(a)
    Victor Vincent Valla
    Data de Defesa
    1983-08-29
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    402
    Volumes
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Margarida de Souza Neves
    Victor Vincent Valla

    Resumo
    Análise da ideologia e da práxis da Igreja Católica na cidade do Rio de Janeiro frente às condições de vida e de trabalho das camadas populares urbanas. Ideologia e práxis, segundo o autor, achavam-se condicionadas pelo objetivo da Arquidiocese do Rio de Janeiro em retomar para a Igreja o lugar de principal aparelho de hegemonia junto à sociedade civil e política. Para isto, se esforça em reconquistar seu prestígio junto aos Estados e junto ao outros aparelhos de hegemonia. Voltou-se inicial e primordialmente para a burguesia, mas a emergência político-social das camadas populares urbanas, especialmente após 1930, conscientizou-a da necessidade de conquistar a adesão dessas camadas. Percebendo que a restauração da hegemonia católica pressupunha a defesa da hegemonia burguesa então contestada pelas esquerdas, passou a combatê-las aguerridamente absorvendo inclusive algumas de suas propostas possíveis de serem toleradas pelo sistema como forma de esvaziar o seu poder de atração. Comportou-se assim como guardiã da ordem constituída, permanecendo uma aliada do Estado burguês.
  • 1983-08 Os Advogados do Município Neutro da Corte: Um Estudo Prosopográfico (1860 - 1880).
    Título
    Os Advogados do Município Neutro da Corte: Um Estudo Prosopográfico (1860 - 1880).
    Autor
    Tânia Maria Tavares Bessone da Cruz Ferreira
    Orientador(a)
    Margarida de Souza Neves
    Data de Defesa
    1983-08-25
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    102
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Margarida de Souza Neves
    Maria Yedda Leite Linhares
    Robert Wayne Andrew Slenes

    Resumo
    Procura, através de uma prosopografia, definir a situação sócio-profissional de uma parcela dos advogados brasileiros entre as décadas de 60 e 80 do século XIX, notadamente aqueles que exerciam suas funções no Município Neutro da Corte. O Almanaque Laemmert, publicação da época que, entre outras divulgações, possuía um indicador das atividades profissionais, forneceu a listagem inicial, para que a partir desta fosse possível o levantamento de fontes documentais como inventários, testamentos e escrituras. A escolha do Rio de Janeiro justifica-se por ter sido essa cidade, durante a segunda metade do século XIX, um importante centro de atividades terciárias. Os advogados formados por São Paulo e Olinda/Recife aí trabalhavam, exercendo em número significativo suas atividades profissionais que, no entanto, transcendiam as funções no judiciário, exercendo também um papel político-burocrático relevante. Foram escolhidos como representativos dois grupos de amostragem: o de bacharéis e o de magistrados.
  • 1983-08 Escravos, Senhores e Café: Um Estudo Sobre a Crise da Cafeicultura do Vale da Paraíba Fluminense (1860 - 1888).
    Título
    Escravos, Senhores e Café: Um Estudo Sobre a Crise da Cafeicultura do Vale da Paraíba Fluminense (1860 - 1888).
    Autor
    Humberto Fernandes Machado
    Orientador(a)
    Francisco José Calazans Falcon
    Data de Defesa
    1983-08-18
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    299
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Francisco José Calazans Falcon
    Ismênia de Lima Martins

    Resumo
    A crise do modo de produção escravista colonial na cafeicultura da parte ocidental do Vale do Paraíba fluminense, no período de 1860 a 1888. O objetivo foi demonstrar como se manifestou a crise estrutural do escravismo em uma região de antigas culturas, onde se estabelecem os primeiros cafezais do Rio de Janeiro. Preocupa-se ainda coma análise da posição dos fazendeiros frente à crise, quando foram introduzidas melhorias nos setores de beneficiamento e de transporte visando a adiá-la. Porém, estas alternativas fracassaram na superação da decadência, em virtude das condições da cafeicultura do Vale. Ao contrário, serviram para acirrar as condições inerentes ao escravismo e para provocar a sua derrota final.
  • 1983-08 O Movimento de 1842: O Protesto Armado da Elite Liberal Mineira.
    Título
    O Movimento de 1842: O Protesto Armado da Elite Liberal Mineira.
    Autor
    Leda Maria de Oliveira
    Orientador(a)
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Data de Defesa
    1983-08-15
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    115
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Afonso Carlos Marques Dos Santos
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Maria Yedda Leite Linhares

    Resumo
    Estuda-se o protesto da elite política liberal mineira (1842), encaminhando a questão da formação do Estado nacional brasileiro na primeira metade do século XIX. A autora preocupa-se com: primeiro, as consideração sobre os fundamentos econômicos nacionais e provinciais; segundo, com a questão do liberalismo na base da elite política através da criação das partidos imperiais e atuação dos liberais mineiros na crise dos anos 1840; quarto, com o protesto armado da parcela da elite alijada temporariamente do poder. Segundo a pesquisa, esse grupo, uma vez de volta ao poder, manteve os instrumentos que criticava e utilizou-os na mesma proporção dos que os impuseram, preservando-se a ordem.
  • 1983-08 A Era das Demolições na Cidade do Rio de Janeiro (1870 - 1920).
    Título
    A Era das Demolições na Cidade do Rio de Janeiro (1870 - 1920).
    Autor
    Oswaldo Porto Rocha
    Orientador(a)
    Victor Vincent Valla
    Data de Defesa
    1983-08-08
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    108
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Robert Wayne Andrew Slenes
    Victor Vincent Valla

    Resumo
    Apresenta a Reforma Pereira Passos como um projeto administrativo que modificou por completo as estruturas urbanas e transformou a cultura e a economia da cidade. Durante as obras, afirma o autor, bairros como a Praça XI permaneceram intocados, resistindo ao progresso e procurando manter intocados seus hábitos e valores culturais. Oswaldo Porto Rocha estuda as transformações na cidade a partir da implantação do Capitalismo. Bem como o papel da cidade no desenvolvimento desse sistema.
  • 1983-07 Imigração ao Brasil no Império: O Caso Particular da Hospedaria de Imigrantes da Ilha das Flores.
    Título
    Imigração ao Brasil no Império: O Caso Particular da Hospedaria de Imigrantes da Ilha das Flores.
    Autor
    Diana Zaidman
    Orientador(a)
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Data de Defesa
    1983-07-29
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    126
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    José Dos Santos Rodrigues
    Sônia Bayão Rodrigues Viana

    Resumo
    Em época passadas, milhões de imigrantes tornaram-se residentes permanentes no Brasil. As causas desta imigração, defende a autora, podem ser determinadas a partir da análise da situação da Europa face à Revolução Industrial e ao crescimento populacional. Acrescenta-se a isso a demanda de imigrantes solicitada pelas Américas, tendo em vista a falta de mão de obra num período de expansão econômica. A Inspetoria Geral das Terras e Colonização, por exemplo, foi criada pelo decreto número 6129 / 1876, que mencionava as hospedarias de imigrantes, locais onde estes, assim que chegavam ao Brasil, permaneciam até que lhes fosse acertado um destino. Em 1879, foi criada a Hospedaria de Imigrantes da Ilha das Flores, destinada a acolher chegados ao porto do Rio de Janeiro. Grande número de imigrantes chegaram ao Brasil por intermediação da Hospedaria.
  • 1983-01 O Processo da Independência no Maranhão (1822 - 1828).
    Título
    O Processo da Independência no Maranhão (1822 - 1828).
    Autor
    Maria Esterlina Mello Pereira
    Orientador(a)
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Data de Defesa
    1983-01-28
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    186
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Maria Yedda Leite Linhares
    Sônia Bayão Rodrigues Viana

    Resumo
    O Grito do Ipiranga não solucionou, definitivamente, o problema da Independência brasileira. Em algumas Províncias, afirma a autora, a adesão ao novo regime foi quase imediata; em outras, como na Bahia, no Piauí, no Maranhão e no Pará, não foi aceito o rompimento com Portugal. Essas Províncias decidiram manter-se fiéis às Cortes de Lisboa. Para afirmar a autoridade como Imperador em todo o Brasil, D. Pedro recorreu a severas medidas e só alcançou o seu objetivo depois de mais de um ano de luta. Com isso, assegurou a unidade do território. A autora estuda a emergência de um sentimento de nacionalidade a partir do caso maranhense. Neste Estado, o processo da Independência foi peculiar. Resultando de elementos que remontam ao início do seu povoamento. Por ter permanecido muito tempo separado do resto do Brasil, integrando com o Pará um estado autônomo, tudo o vinculava ao Reino português. Este isolamento explica a tardia adesão da Província ao sistema imperial, na época subordinada à vontade do Bispo lusitano D. Joaquim de Nazaré, presidente da Junta Governativa que, na sua lealdade às cortes portuguesas, se empenhou na organização de uma frente de reação aos projetos de independência.
  • 1982-10 A Revolta dos Balaios no Maranhão (1838 - 1841).
    Título
    A Revolta dos Balaios no Maranhão (1838 - 1841).
    Autor
    Therezinha de Jesus Marília Almeida Tavares
    Orientador(a)
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Data de Defesa
    1982-10-01
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    86
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Ismênia de Lima Martins
    Robert Wayne Andrew Slenes

    Resumo
    Caracteriza a Balaiada como uma extensa e profunda rebelião sertaneja que envolveu o Maranhão, parte do Piauí e do Ceará, de 1838 a 1841. O movimento resultou, segundo a autora, da exaltação de ânimos em conseqüência dos desmandos locais e emergiu contra a estrutura político-social vigente na época. Principiou comas divergências políticas entre os liberais, chamados bem-te-vis, e os seus adversários, os cabanos, conservadores. Os bem-te-vis pregavam a decisão armada, que acabou escapando ao controle da classe política e revelou seu caráter social. Economicamente, em fins da época colonial, o Maranhão, herdando uma estrutura social gerada na produção do algodão, encontra-se instável. Aquela produção organizada em rezão da guerra da independência dos Estados Unidos e da Revolução Industrial, declinou paralelamente ao desaparecimento externos favoráveis à economia exportadora. Para o término da Balaiada contribuiu a habilidade política e militar de Luiz Alves de Lima e Silva, culminada com a anistia que ofereceu aos sediciosos, proporcionando total rendição.
  • 1982-09 O Processo Político da Província do Ceará (1869 - 1889): Relações do Poder Central com o Poder Local.
    Título
    O Processo Político da Província do Ceará (1869 - 1889): Relações do Poder Central com o Poder Local.
    Autor
    Maria do Carmo Ribeiro Araújo
    Orientador(a)
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Data de Defesa
    1982-09-20
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    145
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Robert Wayne Andrew Slenes

    Resumo
    Estuda-se o processo político cearense (1868-1889), examinando, através dos mecanismos de centralização-descentralização, o grau de envolvimento dos poderes central e local. Questionam-se as posições extremadas clássicas, optando pelo enfoque interativo entre o papel do governo central e as forças políticas locais. A análise do processo histórico permitiu a apreensão de permanências estruturais. Observaram-se os momentos de impasse entre o poder imperial e a elite local na Grande Seca (1877-1879). Bem como a atuação política das oligarquias cearenses nos anos 80: os antagonismos inter-partidários abolicionistas e republicanas. Conclui-se que existe continuidade de fato político, no qual se movem, num estreito círculo. Os atores, afirma a autora, envolvem-se numa política de compromisso, que se concretizará, efetivamente, na República Velha.
  • 1982-07 Imigração e Trabalho Indústrial: Rio de Janeiro (1889 - 1930).
    Título
    Imigração e Trabalho Indústrial: Rio de Janeiro (1889 - 1930).
    Autor
    Mary Heisler de Mendonça Motta
    Orientador(a)
    Ismênia de Lima Martins
    Data de Defesa
    1982-07-19
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    405
    Volumes
    2
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Ismênia de Lima Martins
    Lysia Maria Cavalcanti Bernardes

    Resumo
    A imigração subvencionada pelos cofres públicos em uma época de grande liberação de mão-de-obra nacional explicava-se não apenas pelo fornecimento de trabalho livre barato e abundante aos fazendeiros, mas pelo desejo de embranquecimento da população considerada muito escura pelos padrões racistas da época, defende a autora. Desenvolvimento e civilização eram então identificados com o elemento branco europeu, que disputaria, assim, em condições desleais, o mercado de trabalho com negro liberto. Sua afluência contínua no período contribuiu, segundo a autora, para o desequilíbrio entre oferta e procura, e para a depreciação do salário e das condições de vida. Ocorreu, então, a marginalização do trabalhador nacional, que passou a disputar os trabalhos menos remunerados e os ofícios mais penosos. O grande número de desempregados, o movimento operário, a Revolução Russa e a Primeira Guerra, indica a pesquisadora, modificariam aos poucos essa atitude governamental. E em 1927, conclui, a imigração subvencionada chegava definitivamente ao fim.
  • 1982-05 O Acre e o Ciclo da Borracha (1903 - 1954).
    Título
    O Acre e o Ciclo da Borracha (1903 - 1954).
    Autor
    Enice Mariano Coelho
    Orientador(a)
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Data de Defesa
    1982-05-21
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    118
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Arthur Cezar Ferreira Reis
    Robert Wayne Andrew Slenes
    Ruy de Carvalho Bergsthom Lourenço Filho

    Resumo
    Análise da economia acreana durante o ciclo da borracha, enfocando o caráter de dependência a um mercado externo, demonstrando o processo anterior do consumo interno, a atuação do capital estrangeiro e o interesse em manter uma balança comercial favorável. A autora aborda a introdução da borracha produzida na Ásia, a desarticulação e inevitável crise de sua produção na Amazônia, bem como a política de defesa do produto implementada pelo governo brasileiro. Acompanha, por fim, a trajetória dessa atividade até aos dias atuais, ressaltando o aspecto econômico e suas implicações sociais.
  • 1981-12 A Escravidão na História Econômico-Social do Espírito Santo (1850 - 1888).
    Título
    A Escravidão na História Econômico-Social do Espírito Santo (1850 - 1888).
    Autor
    Vilma Paraíso Ferreira de Almada
    Orientador(a)
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Data de Defesa
    1981-12-15
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    240
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Ciro Flamarion Santana Cardoso
    Maria Yedda Leite Linhares
    Robert Wayne Andrew Slenes

    Resumo
    Objetiva identificar a importância do trabalho escravo e avaliar até que ponto a Província do Espírito Santo, na segunda metade do século XIX, se inseriu no surto cafeeiro, que nessa época imprimiu um cunho tão particular à economia brasileira. Ao coincidir como a crise desagregadora do sistema escravista, o surto cafeeiro, que se instala na Província a partir de 1850, propicia condições favoráveis ao desenvolvimento da análise, já que os períodos de crise expõem, bem mais claramente, as características e contradições de qualquer sistema.
  • 1981-09 Política de Urbanização da Cidade do Rio de Janeiro (1926 - 1930).
    Título
    Política de Urbanização da Cidade do Rio de Janeiro (1926 - 1930).
    Autor
    Elizabeth Lira de Oliveira
    Orientador(a)
    Ismênia de Lima Martins
    Data de Defesa
    1981-09-28
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    83
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eulália Maria Lahmeyer Lobo
    Ismênia de Lima Martins
    Victor Vincent Valla

    Resumo
    Definição, no campo da história, das categorias de urbanização e de urbanismo, incluindo os aspectos geográficos, sociológicos e políticos inerentes à cidade. Conceitua a cidade, aprofundando os aspectos da realidade do Rio de Janeiro nas três primeiras décadas do século XX, conduzindo à formação de um quadro de realizações e expectativas urbanas na área político-administrativa. Analisa como os governantes e agentes sociais de uma cidade tropical, em desenvolvimento, latino-americana, no século XX, conduziram o seu programa de urbanização, com objetivo de modernizar os vestígios de seu passado colonial.
language

Siga-nos