Thèses
  • 2023-12

    Sob as asas da águia: a burguesia brasileira e o capital-imperialismo - de Lula a Bolsonaro (2003-2023)

    Título

    Sob as asas da águia: a burguesia brasileira e o capital-imperialismo - de Lula a Bolsonaro (2003-2023)

    Autor
    Gabriel Lecznieski Kanaan
    Orientador(a)
    Virginia Maria Gomes de Mattos Fontes
    Data de Defesa
    2023-12-08
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    806
    Volumes
    2
    Banca de Defesa
    Ana Elisa Saggioro Garcia
    Pedro Henrique Pedreira Campos
    Rejane Carolina Hoeveler
    Sebastião Carlos Velasco E Cruz
    Virginia Maria Gomes de Mattos Fontes

    Resumo

    Esta tese analisa as relações entre as classes dominantes brasileiras e estadunidenses no
    período que vai do governo Lula ao governo Bolsonaro. Investigamos especialmente as
    conexões forjadas pela Embaixada e Consulados dos Estados Unidos no Brasil com as classes
    dominantes brasileiras. Para isto, examinamos os telegramas enviados por estes postos
    diplomáticos à Washington, que foram vazados pela WikiLeaks. Este aparelho de hegemonia
    estadunidense articulou uma densa teia de conexões entre aparatos das classes dominantes
    estadunidenses e brasileiras, o que nos possibilitou analisar os processos de formação de
    composições e tensões entre estas. Dividimos a pesquisa destas relações em quatro frentes
    referentes ao que identificamos, no início do governo Bolsonaro, como os quatro núcleos do
    bloco no poder: os lavajatistas, os militares, os fascistas e os ultraliberais, que se tornaram
    capítulos desta tese: a análise das relações de agentes judiciários, militares, fascistas e
    empresariais brasileiros com suas contrapartes estadunidenses. Observamos uma densa
    costura articulando entidades das classes dominantes estadunidenses e brasileiras, e vimos
    como a ascensão do lavajatismo, do militarismo e do protofascismo está marcada pelas
    pegadas de diplomatas, políticos, militares e empresários estadunidenses. A atuação desta
    malha impactou profundamente a história política do Brasil recente, da pressão para promover
    as reformas neoliberais (trabalhista, previdenciária e tributária) desde o início dos governos
    Lula ao golpe e à eleição de Bolsonaro, que aprofundaram tal pauta fundamental e unificadora
    da burguesia brasileira e estadunidense. Observamos que a articulação do golpe de 2016 por
    esta malha de aparatos das classes dominantes brasileiras e estadunidenses forjou novas
    configurações nas formas de dominação burguesa no Brasil, despertando monstros que,
    mesmo servis a elas, buscam incansavelmente escapar do seu controle. A ascensão do
    protofascismo, que reproduz a tradição autocrática e contrarrevolucionária da burguesia

    brasileira buscando exterminar as lutas populares, gerou novas tensões com o hegemonismo-
    cosmopolita, fração burguesa que busca apassivá-las. Mesmo identificando tensões, com

    destaque para as tensões interburguesas de escala que surgiram com a expansão das mega
    empresas brasileiras, observamos, ao contrário do que defendem os projetos do progressismo
    brasileiro – como o neodesenvolvimentismo petista ou o projeto nacional pedetista – a
    integração e associação subalterna destes setores das classes dominantes brasileiras às suas
    contrapartes norte-americanas.




  • 2023-12

    Um Bolchevique em Transição: Biografia Intelectual de Evgeny A. Preobrazhensky e sua Teoria da Acumulação Socialista Primitiva (1886-1928).

    Título

    Um Bolchevique em Transição: Biografia Intelectual de Evgeny A. Preobrazhensky e sua Teoria da Acumulação Socialista Primitiva (1886-1928).

    Autor
    Rebecca de Oliveira Freitas
    Orientador(a)
    Tatiana Silva Poggi de Figueiredo
    Data de Defesa
    2023-12-08
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    538
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Bianca Aires Imbiriba di Maio Bonente
    Demian Bezerra de Melo
    Marcelo Badaró Mattos
    Tatiana Silva Poggi de Figueiredo
    Thiago Reis Marques Ribeiro

    Resumo

    A presente tese consiste em uma biografia intelectual do revolucionário e economista soviético
    Evgeny A. Preobrazhensky. O trabalho aborda sua trajetória desde seu nascimento em 1886 e
    acompanha o desenvolvimento de seu pensamento até 1928. Depois de seu ingresso no Partido
    Operário Social-Democrata Russo (Bolchevique) em 1903, ele participou da Primeira
    Revolução Russa (1905-1907), viveu os impactos da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a
    Revolução Russa de 1917, a Guerra Civil (1918-1920) e a transição para a Nova Política
    Econômica (NEP) a partir de 1921. Compôs diversas instâncias partidárias e estatais, e foi
    figura central de diversos grupos oposicionistas, como a Oposição dos 46 e a Oposição
    Unificada. Sua teoria caracterizava a URSS enquanto uma sociedade mista socialista-mercantil,
    onde a lei do valor (nacional e internacional) e a lei da acumulação socialista primitiva
    disputariam o domínio da organização social. Durante esse período de luta por sobrevivência
    em um país majoritariamente camponês, tecnologicamente atrasado, com fortes heranças
    culturais do capitalismo e temporariamente isolado, o setor estatal dependeria
    fundamentalmente do excedente alienado do setor privado através de diversos mecanismos,
    com destaque para as trocas não equivalentes. A lei da acumulação socialista primitiva se referia
    ao conjunto de tendências conscientes e semi-espontâneas da economia estatal objetivando a
    expansão e fortalecimento da organização coletiva do trabalho na economia soviética. As ações
    impulsionadas por essas tendências não eram arbitrárias, mas respondiam às necessidades
    econômicas reconhecidas conscientemente pela correta proporção da distribuição das forças
    produtivas entre os setores estatal e privado e seus departamentos em sua conexão através do
    Estado soviético com a divisão internacional do trabalho, assegurando que essa expansão
    continuasse anualmente, o que só poderia ser asseguradas em última instância pela revolução
    internacional. O papel do desenvolvimento cultural do proletariado, da democracia e do
    combate à burocracia cresceu em seu pensamento no período e é fator fundamental para
    compreendê-lo. Concluo que seu pensamento foi formado e expressou o desenvolvimento
    desigual e combinado russo e que eventos como a Primeira Guerra Mundial e sua luta contra a
    burocracia soviética marcaram sua transição em direção a uma concepção de história calcada
    sobre a ação humana.




  • 2023-11

    SENTIDOS DA MESTIÇAGEM: A EUGENIA NAS CONCEPÇÕES RACIAIS

    DE OCTÁVIO BRANDÃO, ASTROJILDO PEREIRA

    E O PCB NOS ANOS DE 1920

    Título

    SENTIDOS DA MESTIÇAGEM: A EUGENIA NAS CONCEPÇÕES RACIAIS

    DE OCTÁVIO BRANDÃO, ASTROJILDO PEREIRA

    E O PCB NOS ANOS DE 1920

    Autor
    Pedro Monteiro Cheuiche
    Orientador(a)
    Paulo Cruz Terra
    Data de Defesa
    2023-11-30
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    162
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Aruã Silva de Lima
    Paulo Cruz Terra
    Robert Wegner

    Resumo

    A seguinte pesquisa possui como objeto a concepção racial de Astrojildo Pereira, Octávio
    Brandão e o Partido Comunista Brasileiro (PCB) nos anos 1920, tendo em vista o
    fortalecimento da ciência eugênica do Brasil. Alguns dos principais textos da trajetória
    desses dirigentes e do Partido são investigados com o intuito de analisar a influência das
    ideias eugênicas, uma ciência com inserção entre camadas de intelectuais e médicos no
    Brasil. As matrizes intelectuais, a formação anarquista e a integração ao marxismo de
    ambos os autores, com caracterizações que se modificam ao longo do tempo, denotam
    elementos da teoria eugênica de tipo radical e moderado como soluções para o problema
    social brasileiro. Essas posições marcam uma determinada de tratar o tema racial que
    posteriormente influenciam como o Partido enxerga o Brasil. O interesse da dissertação
    será compreender como foram feitas essas interpretações raciais e suas consequências nas
    posições da organização no movimento operário brasileiro.




  • 2023-11

    CONTRASTES DA VIAGEM E AS VISÕES DO TEMPO EM OS SERTÕES E EM TRISTES TRÓPICOS: Diálogos entre história, literatura e etnografia

    Título

    CONTRASTES DA VIAGEM E AS VISÕES DO TEMPO EM OS SERTÕES E EM TRISTES TRÓPICOS: Diálogos entre história, literatura e etnografia

    Autor
    Juliana de Souza Dos Reis
    Orientador(a)
    Francine Iegelski
    Data de Defesa
    2023-11-22
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    146
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Felipe de Souza Dias Brandi
    Francine Iegelski
    Pedro Spinola Pereira Caldas

    Resumo

    Motivada pelo encontro entre os atos de viajar e narrar, a dissertação pretende discutir a
    relação entre mudança de espaço e impacto na percepção temporal a partir de dois
    grandes livros de e sobre viagem: Os sertões (1902), do escritor brasileiro Euclides da
    Cunha, e Tristes trópicos (1955), do antropólogo Claude Lévi-Strauss. Considerados
    livros sui generis, a sobreposição de gêneros e recursos textuais incide em discussões
    pertinentes à teoria da história, no que diz respeito ao questionamento do(s) tempo(s) que
    a viagem coloca àquele que observa. A viagem feita pelos autores é encarada aqui a partir
    da ideia de ‘corte’ geográfico, pelo duplo ato de guiar e transgredir, discutida por Michel
    de Certeau. Durante o percurso, a viagem coloca os autores diante das consequências de
    sua própria sociedade. Seguindo por esse eixo, buscamos, então, pensar Euclides da
    Cunha e Lévi-Strauss como escritores que operam, de certa forma, com a pobreza da
    experiência, da qual nos fala Walter Benjamin.




  • 2023-11

    SUBSTRATOS INSULARES, PERMANÊNCIAS E RUPTURAS CONTINENTAIS: RESSIGNIFICAÇÕES E CONTINUIDADES IRLANDESAS NOS ROMANS DE TRISTAN (SÉCULOS XII-XIII)

    Título

    SUBSTRATOS INSULARES, PERMANÊNCIAS E RUPTURAS CONTINENTAIS: RESSIGNIFICAÇÕES E CONTINUIDADES IRLANDESAS NOS ROMANS DE TRISTAN (SÉCULOS XII-XIII)

    Autor
    Luan Lucas Araújo Morais
    Orientador(a)
    Carolina Coelho Fortes
    Data de Defesa
    2023-11-21
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    491
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Carolina Coelho Fortes
    Carolina Gual da Silva
    Edmar Checon de Freitas
    Elaine Cristine Dos Santos Pereira Farrell
    Igor Salomao Teixeira

    Resumo

    A presente tese objetiva delinear quais os principais elementos insulares, sobretudo,
    irlandeses, na composição temática, estética e narrativa dos romans tristanianos de Béroul
    e Thomas, ambos compostos em anglo-normando na segunda metade do século XII. De
    modo a demonstrar, no âmbito da História, como e por que certos temas, personagens e
    símbolos irlandeses aparecem de maneira implícita ou mesmo explícita nas narrativas do
    Ciclo Tristaniano, advoga-se aqui a hipótese de que tais permanências, bem como suas
    rupturas e contradições, justificam-se nos romans de Béroul e Thomas e com base no
    contexto de dominação colonial ao qual a Irlanda esteve submetida a partir de 1171, o
    chamado Senhorio da Irlanda, instaurado pela coroa inglesa e vinculado ao Império
    Angevino (1154-1259). Desse modo, a seguinte pesquisa busca historicizar os
    fundamentos coloniais que ajudaram a dar vazão aos temas discutidos nos romans de
    Tristan, estabelecendo, via método comparativo, quais as principais estruturas,
    correspondências e significados entre os contextos de produção e circulação desses
    poemas e suas respectivas matrizes irlandesas. Justifica-se ainda tal empreendimento
    mediante a consideração de que, nos recortes espacial e cronológico deste trabalho, tais
    obras estiveram submetidas à esfera de domínio hegemônico de uma francofonia
    medieval, responsável pela produção e pela circulação sistemática de narrativas literárias
    para uma audiência familiarizada com espaços, personagens e temas comuns aos seus contextos sociais e históricos.




  • 2023-11

    Modernidade negra na Praça Onze: escolas de samba, ação política e a construção do Carnaval turístico. Rio de Janeiro 1932-1948

    Título

    Modernidade negra na Praça Onze: escolas de samba, ação política e a construção do Carnaval turístico. Rio de Janeiro 1932-1948

    Autor
    Fabiana Martins Bandeira
    Orientador(a)
    Larissa Moreira Viana
    Data de Defesa
    2023-11-14
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    480
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Larissa Moreira Viana
    Martha Campos Abreu
    Thiago Cavaliere Mourelle
    Valéria Lima Guimarães
    Vinícius Ferreira Natal

    Resumo

    O objetivo central desta tese é analisar a trajetória política das escolas de samba do Rio de Janeiro, enfatizando seus esforços de participação e destaque no Carnaval entre as décadas de 1930 e 1940, período no qual a festa popular se tornou evento oficial, atrativo turístico e importante fator de ampliação das relações panamericanas. Através da análise de vasta bibliografia e documentação diversa, a tese discute as relações de poder entre Estado, imprensa e os representantes das escolas de samba. Nesse sentido, jornais e revistas foram fontes privilegiadas de estudo das mediações entre sambistas, cronistas carnavalescos, intelectuais, políticos e autoridades, permitindo discutir a força do racismo na representação dessas agremiações por setores da imprensa, assim como as estratégias de autorrepresentação dos sambistas. Mais do que garantir espaços e subsídios públicos para participar das competições carnavalescas, os integrantes das escolas de samba, majoritariamente negros e moradores de morros e subúrbios da capital federal, viram na oficialização do Carnaval turístico um meio de aumentar a visibilidade de suas comunidades, ampliar seu acesso aos benefícios da cidadania e defender seus interesses políticos. Conscientes da modernidade da cultura do samba e da importância de seus valores democráticos na afirmação da transformação política do Brasil, as escolas de samba se fizeram representar pela União das Escolas de Samba e negociaram seu apoio a governos, projetos e partidos políticos. Expressando-se através de desfiles, homenagens, manifestos e outras ações políticas relevantes, as escolas de samba desse período foram importantes instituições do associativismo negro carioca.




  • 2023-11

    AS RELAÇÕES SOCIAIS E POLÍTICAS DE TRABALHADORES DO SÉCULO XIX NO RIO DE JANEIRO ATRAVÉS DE OCTAVIANO HUDSON

    Título

    AS RELAÇÕES SOCIAIS E POLÍTICAS DE TRABALHADORES DO SÉCULO XIX NO RIO DE JANEIRO ATRAVÉS DE OCTAVIANO HUDSON

    Autor
    Isabella de Souza Tavares
    Orientador(a)
    Paulo Cruz Terra
    Data de Defesa
    2023-11-14
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    117
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Karoline Carula
    Paulo Cruz Terra
    Renata Figueiredo Moraes

    Resumo

    Este trabalho tem como objetivo tratar questões comuns aos trabalhadores da segunda
    metade do século XIX através da figura de Octaviano Hudson. O personagem desta
    dissertação é usado como fio condutor para tratar de questões como o associativismo
    mutualista, a contestação do direito ao voto a partir da Reforma Eleitoral de 1881 e a busca
    incessante por instrução para a população menos abastada e para a classe trabalhadora. Em
    sua trajetória, Hudson foi um tipógrafo, jornalista e poeta do povo, que buscamos ressaltar
    como um protagonista negro da História Social do Trabalho no Brasil.




  • 2023-10

    MULHERES E MANDINGA NA CIDADE NEGRA: As casas de dar fortuna no Rio de Janeiro (1870-1889)

    Título

    MULHERES E MANDINGA NA CIDADE NEGRA: As casas de dar fortuna no Rio de Janeiro (1870-1889)

    Autor
    Hanna Katherine Ferreira Gomes
    Orientador(a)
    Karoline Carula
    Data de Defesa
    2023-10-30
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    166
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eduardo Possidonio
    Jonis Freire
    Karoline Carula

    Resumo

    Este trabalho pretende discorrer sobre os espaços afro-religiosos oitocentistas na cidade do Rio
    de Janeiro, conhecidos como casas de dar fortuna. Eles eram pontos de manifestação de uma
    religiosidade recriada em meio a diáspora africana, com fortes marcas centro-africanas. Nosso
    objetivo central é analisá-los como pontos de sociabilidade feminina, compreendendo a partir
    de uma perspectiva interseccional de que forma as experiências de mulheres plurais refletiram
    na construção desses espaços. Para tanto investigaremos publicações de periódicos publicados
    na cidade entre os anos de 1870 e 1889, processos criminais e fichas de matrículas da Casa de
    Detenção da Corte. A partir do cruzamento dessa documentação, buscaremos desvendar sinais
    e pistas que contribuam para a análise das experiências femininas nas casas afro-religiosas.




  • 2023-10

    A Cavalgada das Valquírias: o papel das mulheres na extrema-direita norte-americana (2008-2021)

    Título

    A Cavalgada das Valquírias: o papel das mulheres na extrema-direita norte-americana (2008-2021)

    Autor
    Thais Gabrich Gueiros Pinheiro
    Orientador(a)
    Tatiana Silva Poggi de Figueiredo
    Data de Defesa
    2023-10-30
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    158
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Lívia de Cássia Godoi Moraes
    Odilon Caldeira Neto
    Tatiana Silva Poggi de Figueiredo

    Resumo

    O presente trabalho busca investigar a participação das mulheres que compõem
    a alt-right, um movimento político que alcançou notoriedade durante a disputa
    presidencial de Donald Trump nos Estados Unidos. Buscou-se compreender de
    que maneira um movimento abertamente misógino compreende e abarca a
    presença das mulheres internamente. Para isso, primeiro procurou-se analisar
    as raízes teóricas utilizadas pela alt-right que justificam a inferioridade feminina
    defendida pelo movimento. Para compreender de qual forma as mulheres
    trabalham pela disseminação do ideal supremacista branco da alt-right, foram
    analisados conteúdos produzidos por Lana Lokteff, Lauren Southern e Ayla
    Stewart, figuras femininas de destaque na alt-right. Levando em consideração a
    Teoria da Reprodução Social, procurou-se compreender a atuação dessas
    mulheres não somente da reprodução de força de trabalho para a sociedade
    capitalista, mas da reprodução dela para a sociedade almejada pela alt-right.




  • 2023-10

    Todo mundo quer Umbanda, mas ninguém sabe o que é Umbanda: lutas de representações e identidades umbandistas no Rio de Janeiro (c.1890 - c.1933)

    Título

    Todo mundo quer Umbanda, mas ninguém sabe o que é Umbanda: lutas de representações e identidades umbandistas no Rio de Janeiro (c.1890 - c.1933)

    Autor
    Lucas Ferreira Pinto de Andrade Alves
    Orientador(a)
    Renato Soares Coutinho
    Data de Defesa
    2023-10-24
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    201
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Eduardo Possidonio
    Jonis Freire
    Renato Soares Coutinho

    Resumo

    O objeto central desta pesquisa são as representações sociais da Umbanda no Rio de Janeiro.
    Um princípio que orientou nossa abordagem foi o diálogo entre essa prática sagrada como a
    sociedade carioca. Buscamos, assim, ir além da dimensão estritamente religiosa, identificando
    como indivíduos, grupos sociais, instituições e campos do saber não-religiosos representaram
    a Umbanda. Entendemos que a formação das identidades umbandistas só pode ser apreendida
    a partir do complexo e dinâmico cruzamento de representações entre os agentes religiosos e
    não-religiosos, processo que chamamos de lutas de representações. Nesse sentido, este estudo
    se concentra entre a promulgação do Código Penal de 1890 até a publicação de uma série de
    artigos sobre a Umbanda publicada no jornal Diário de Notícias no final de 1932 e início de
    1933. Esse recorte temporal não é estático. Como assumimos a perspectiva historiográfica do
    pós-emancipação e de outros campos que advogam pela superação do "muro de Berlim"
    historiográfico que divide o período escravista do período do trabalho assalariado, nossa
    abordagem fará movimentos de retorno e avanço ao recorte citado, sem os quais não é
    possível compreender satisfatoriamente a formação das identidades umbandistas no Rio de
    Janeiro. Para fundamentar as hipóteses que serão apresentadas e desenvolvidas, trabalhamos
    com crônicas, notícias de jornais, revistas científicas, processos-crime e produções clássicas
    sobre o negro no campo da Antropologia, da Sociologia e da História. Ao cotejar essa
    documentação, uma grande preocupação nossa consistiu em captar as "vozes", "olhares",
    "sentidos"; enfim, as representações que sujeitos subalternizados, sobretudo pretos e pardos,
    fizeram da experiência sagrada que organizava as suas vidas, a Umbanda.




  • 2023-10

    BIG TRANSPHOBIA: Transfobia na mídia de extrema-direita estadunidense através de Breitbart News Network

    Título

    BIG TRANSPHOBIA: Transfobia na mídia de extrema-direita estadunidense através de Breitbart News Network

    Autor
    Rudi Inge White Van Der Sluijs
    Orientador(a)
    Tatiana Silva Poggi de Figueiredo
    Data de Defesa
    2023-10-18
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    177
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Douglas Santos Alves
    Roberto Moll Neto
    Tatiana Silva Poggi de Figueiredo

    Resumo

    Este trabalho se propõe a discutir e analisar o preconceito transfóbico existente nas
    matérias publicadas pelo jornal de extrema-direita estadunidense Breitbart News Network.
    Para tal será necessário realizar uma análise historiográfica do curso da direita nos Estados
    Unidos, assim como uma discussão das diversas crises econômicas do fim do século XX e
    início do século XXI que serviram para moldar esta mesma direita. Serão também objetos
    de análise as próprias matérias do jornal, apontando as formas através das quais seus
    escritores e editores manifestam e propagam seu preconceito contra pessoas transgênero.




  • 2023-10

    DINÂMICA DE CORTE E FESTIVIDADES DA ARISTOCRACIA CASTELHANA NO REINADO DE JUAN II (1406-1454)

    Título

    DINÂMICA DE CORTE E FESTIVIDADES DA ARISTOCRACIA CASTELHANA NO REINADO DE JUAN II (1406-1454)

    Autor
    Lucas Werlang Girardi
    Orientador(a)
    Renata Rodrigues Vereza
    Data de Defesa
    2023-10-16
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    323
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    João Cerineu Leite de Carvalho
    Maria Filomena Pinto da Costa Coelho
    Mário Jorge da Motta Bastos
    Renata Rodrigues Vereza
    Vânia Leite Fróes

    Resumo

    Neste trabalho, expõe-se investigação de doutorado que partiu do objetivo de compreender a
    articulação política da aristocracia castelhana no período de Juan II, por meio da análise de
    crônicas produzidas no período. Considera-se que as transformações associadas aos séculos
    XIV e XV e os processos específicos da Península Ibérica estabelecem um cenário complexo
    em relação à reprodução material daqueles que dominam socialmente, o que incita o
    questionamento sobre como aqueles sujeitos se organizavam e se adaptavam para manter sua
    posição. Ao dialogar com a historiografia, tem-se que o período costuma ser retratado sob a
    perspectiva da centralização, da oposição entre o rei e a aristocracia, da submissão desta e do
    declínio da sociedade medieval e as características que lhe são associadas, o que se contrapõe
    às posições resultantes desta pesquisa. Nesse sentido, a reflexão proposta é elaborada por uma
    ênfase na história política, sob influência do materialismo histórico, em que esta dimensão é
    percebida como parte de um todo social, a ser considerado para o devido desenvolvimento da
    análise. Recorrendo à cronística castelhana do reinado de Juan II, cuja produção interessa
    especialmente pela quantidade e coetaneidade aos eventos, observa-se a recorrência de certas
    relações sociais e fenômenos ao longo dos relatos, que permite a sistematização de certos
    comportamentos, movimentos, ideias e discursos da aristocracia do período. Com isso, no
    decorrer da escrita, ponderou-se acerca das discussões sobre as transformações sociais na Baixa
    Idade Média, a questão da centralização política no feudalismo, a viabilidade e funcionamento
    da conformação estatal naquele recorte, o faccionalismo, assim como a importância da
    monarquia e da corte para a relação entre a aristocracia e o rei, e deste com o reino. Disto,
    elabora-se a proposta de uma dinâmica de corte, uma série de movimentos sistemáticos da
    aristocracia no entorno régio, partindo das lógicas de acumulação senhorial e de proximidade
    ao monarca. Para isso, mobilizam-se elementos referentes ao monarca, a distribuição das rendas
    no reino, as estratégias de articulação aristocrática e a privança. Ainda, a essa proposta se soma
    a importância das festas de corte, notada pela manifestação frequente dessas práticas nas
    crônicas selecionadas, assim como por adicionar à compreensão da dinâmica em foco, pensada
    de forma integrada ao reino. Compondo a reflexão, encontram-se as discussões sobre práticas
    culturais, festas e ritos no recorte estudado, além da relevância do ideal de cavalaria para a

    aristocracia e as análises das manifestações festivas. Ao fim da pesquisa e exposição, entende-
    se ter sido possível abordar a aristocracia castelhana da Baixa Idade Média sob uma perspectiva

    distinta de parte da historiografia corrente: trata-se de um grupo ativo politicamente, que se
    organiza de acordo com as transformações na sociedade, e adapta-se a fim de manter sua
    dominação sobre ela.




  • 2023-10

    BENDIDA PROTEÇÃO: fé, solidariedade e práticas religiosas entre os irmãos terceiros carmelitas e os confrades do escapulário de Minas Gerais ( 1754-1838)

    Título

    BENDIDA PROTEÇÃO: fé, solidariedade e práticas religiosas entre os irmãos terceiros carmelitas e os confrades do escapulário de Minas Gerais ( 1754-1838)

    Autor
    Nívea Maria Leite Mendonça
    Orientador(a)
    Georgina Silva Dos Santos
    Data de Defesa
    2023-10-11
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    433
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Adalgisa Arantes Campos
    Anderson José Machado de Oliveira
    Angelo Adriano Faria de Assis
    Georgina Silva Dos Santos
    Renato Júnio Franco

    Resumo

    A presente tese investiga o processo de admissão dos confrades dos Bentinhos em Vila
    Rica no decurso da segunda metade do século XVIII, tendo como objetivo evidenciar o
    processo de abertura da Ordem Terceira do Carmo promovido pela criação deste braço
    para atender estes novos membros. Essa confraria representou um importante espaço de
    integração de fiéis de diversas camadas sociais, que se identificavam a partir do uso do
    escapulário/bentinho. Para a pesquisa, foram selecionadas fontes do Arquivo Eclesiástico
    da Paróquia de N. Sra. do Pilar em Ouro Preto, entre elas o livro de assento dos confrades.
    Promoveu-se uma análise com base nas perspectivas teóricas elaboradas por Ginzburg
    (2009) e verificaram-se os indícios e vestígios contidos no livro de assentos dos
    confrades. Ademais, através dos métodos quantitativo e qualitativo, a pesquisa buscou
    identificar quem eram os confrades do bentinho, de onde vinham e quais eram suas
    principais motivações para o ingresso neste setor disponibilizado pela Ordem Terceira do
    Carmo. Ao final do trabalho, foi possível constatar que os confrades dos bentinhos foi
    uma maneira de integrar os devotos que se identificavam com as aspirações carmelitas,
    organizadas em torno dos benefícios indulgenciais proporcionados pelo uso da insígnia
    carmelita, o escapulário.




  • 2023-10

    CIDADANIA NA ORDEM DO DIA: OS MORADORES DA MARÉ DURANTE O PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO (1977-1993)

    Título

    CIDADANIA NA ORDEM DO DIA: OS MORADORES DA MARÉ DURANTE O PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO (1977-1993)

    Autor
    Luiz Carlos Barros Joaquim Junior
    Orientador(a)
    Janaína Martins Cordeiro
    Data de Defesa
    2023-10-03
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    226
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Gabriela Daiana Gomes
    Janaína Martins Cordeiro
    Rômulo Costa Mattos

    Resumo

    A seguinte pesquisa tem como tema os movimentos sociais nas favelas da Maré,
    na cidade do Rio de Janeiro, no período de transição da ditadura militar para a Nova
    República, tendo a associação de moradores da Nova Holanda como recorte. A Nova
    Holanda é um dos 16 territórios que formam a Maré, e foi concebida em 1962 no antigo
    Estado da Guanabara, para ser um Centro da Habitação Provisória. Sua função era
    abrigar favelados removidos de outras localidades e que não tinham renda para morar
    nos conjuntos habitacionais. Quinze anos após sua criação, a localidade encontrava-se
    em estado estrutural catastrófico, com a ausência de diversos direitos sociais. Essas
    razões motivaram os trabalhadores-moradores a se organizarem e se engajarem na luta
    por cidadania e melhorias para sua favela em 1977. Entre 1984 e 1993, por meio da
    mobilização popular, a Nova Holanda passou por notáveis mudanças físicas:
    construções de alvenaria, verticalização das moradias, urbanização, instalação de rede
    de luz elétrica e sistema de fornecimento de água potável e esgoto, escolas e creches.
    Este estudo pretende analisar os processos locais e gerais que levaram às melhorias no
    território, bem como os processos que levaram ao declínio do movimento comunitário.




  • 2023-08

    "Margens Ancestrais: História, territorialidade e memória dos quilombos nos rios Araguaia-Tocantins (1988-2023)"

    Título

    "Margens Ancestrais: História, territorialidade e memória dos quilombos nos rios Araguaia-Tocantins (1988-2023)"

    Autor
    Marina Grigorio Barbosa de Sousa
    Orientador(a)
    Hebe Maria da Costa Mattos Gomes de Castro
    Data de Defesa
    2023-08-31
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    265
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Daniela Paiva Yabeta de Moraes
    Hebe Maria da Costa Mattos Gomes de Castro
    Maria de Fátima Oliveira
    Martha Campos Abreu
    Rita de Cassia Domingues Lopes

    Resumo

    A construção ideológica da historiografia tocantinense não comtempla, de forma
    fidedigna, a importância da presença e da luta negra na constituição e na emancipação
    política do estado. Tendo isso em vista, esta tese tem como foco compreender a
    construção identitária dos sujeitos ribeirinhos quilombolas tocantinenses, partindo de uma
    realidade entrelaçada por rios, matas, estradas, memórias e histórias de luta. Sujeitos
    estes que se articulam e vivem uma constante luta – primeiro por autonomia, depois para
    que o Estado cumpra seu papel de democratização social. Nesse sentido, é importante
    pensar nos rios e nas identidades quilombolas como metáforas que se encontram, se
    aproximam e se relacionam na temporalidade difusa da ancestralidade negra no
    Tocantins. Essa reflexão remete ao conceito de margem enquanto fronteira ambígua, que
    partilha do processo histórico, que representa identidade e diferença, exclusão e
    inclusão. Margem da história, margem do tempo e margem ancestral. Ao mesmo tempo
    em que são mulheres e homens negros que viveram em um período marcado por forte
    racialização das relações sociais, também são sujeitos que passaram por trajetórias de
    exceção. Assim, pensar seus caminhos, traçados dentro de um projeto maior, permite
    lançar novas bases para uma análise crítica da história dos primeiros anos de
    redemocratização brasileira, abrangendo 1988, o ano de criação do Tocantins. Nessa
    perspectiva, as territorialidades negras e a politização da consciência das fronteiras
    apresentam-se como experiências sociais passíveis de novas reinterpretações. Todo o
    processo desta pesquisa buscou compreender a lógica de "territorialidades em
    movimento", considerando a luta e a resistência dos quilombolas em seus fluxos
    migratórios, além do modo como essas comunidades vêm se reafirmando no presente
    processo de incorporação do Tocantins contemporâneo. A metodologia da história oral
    possibilitou a este trabalho conhecer, reunir e promover entrevistas com lideranças
    quilombolas da região Sudeste e Norte do Tocantins e representante quilombola da
    COEQTO, que juntamente com outras fontes históricas, auxiliaram enquanto material
    necessário para elaboração de uma história social de parte do movimento quilombola
    contemporâneo tocantinense. As dinâmicas envolvendo a compreensão dos limites de
    territorialidade, identidade e movimento perpassam questões culturais, históricas e
    sociais dos grupos que habitam esse território. Em um recorte específico para a pesquisa,
    a partir das comunidades estabelecidas e certificadas, destacamos as que estão
    margeadas pela Bacia Araguaia-Tocantins. Compreender os processos coloniais
    advindos da navegabilidade e da promoção de uma memória coletiva de resistência
    transforma o trajeto do rio e sua rota de navegação em partes importantes da nossa
    história. Não por acaso, inúmeros quilombos se ergueram às margens dessas águas.




  • 2023-08

    "ESSE É O MUNDO MANICONGO, NÃO REPAREM, FAÇO LUTA E FAÇO BUNDAS BALANÇAREM": O Afrorep de Rincon Sapiência e a Reeducação das Relações Étnico-Raciais no Brasil (2001-2022)

    Título

    "ESSE É O MUNDO MANICONGO, NÃO REPAREM, FAÇO LUTA E FAÇO BUNDAS BALANÇAREM": O Afrorep de Rincon Sapiência e a Reeducação das Relações Étnico-Raciais no Brasil (2001-2022)

    Autor
    Alcino Dos Reis Amaral
    Orientador(a)
    Ynaê Lopes Dos Santos
    Data de Defesa
    2023-08-29
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    132
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Amailton Magno Azevedo
    Martha Campos Abreu
    Ynaê Lopes Dos Santos

    Resumo

    RESUMO

    A presente investigação é uma análise sobre o Afrorep de Rincon Sapiência e as
    sonororidades do espaço afro-atlântico. A partir da obra e a trajetória de Rincon, e tendo como
    pano de fundo o processo de reeducação das relações étnico-raciais no Brasil Contemporâneo,
    analiso os impactos desse movimento. O marco temporal é delimitado pelo ano de 2001 –
    quando o Estado brasileiro reconhece internacional e ineditamente a existência do racismo na
    sociedade, um ano após o incío da carreira de Rincon– e o ano de 2022, data da entrevista
    gentilmente concedida a mim por Rincon Sapiência. Dessa forma, a pesquisa se debruça sobre
    fonogramas e videoclipes do rapper e compositor paulistano, além de cadernos de cultura,
    matérias de jornais, entrevistas com e sobre o artista. Rincon Sapiência nasceu no ano de 1985,
    contexto brasileiro de construção de uma nova ordem democrática-institucional, crescendo na
    Cohab 1, zona periférica da cidade de São Paulo, sua história assemelha-se a de muitos artistas
    oriundos das classes trabalhadoras brasileiras. O cantor começa a carreira artística no ano de
    2000, tendo seu primeiro sucesso reconhecido só em 2010, desde então o artista vem se
    consolidando, nos últimos anos, como um grande expoente do Hip-Hop no Brasil, com um
    trabalho que dialoga fortemente com questões contemporâneas do país, com destaque a
    temática das relações étnico-raciais. Pensar a obra de Rincon em consonância com o processo
    de reeducação das relações étnico-raciais, em marcha nas últimas décadas no Brasil
    contemporâneo, nos permite investigar as possibilidades de ação política que se dão no seio do
    campo cultural brasileiro. Nesse sentido, a dissertação investiga a musicalidade Afrorep,
    enquanto sonoridade do espaço afro-atlântico e a filiação do artista a um circuito diáspórico que
    denominei enquanto mineireidade centro-africana. Além disso, mobilizo a ideia de negro em
    movimento para compreender a atuação do artista nas redes sociais, e sua preocupação com a
    publicização de "novas histórias". Ao fim, e ao cabo, defino Rincon, também, enquanto
    historiador público do tempo presente, por identifiar em sua obra a constituição de íntimas
    relações com seu público: a juventude negra, além do engajmento nas discussões do tempo
    presente acerca dos territórios negros da cidade de São Paulo, das manifestações culturais
    negras e do combate ao racismo e a promoção da igualdade racial.




  • 2023-08

    VIVÊNCIAS E RESISTÊNCIAS DE MULHERES EM LUANDA (~1930-1975)

    Título

    VIVÊNCIAS E RESISTÊNCIAS DE MULHERES EM LUANDA (~1930-1975)

    Autor
    Yasmim Rodrigues Corrêa
    Orientador(a)
    Marcelo Bittencourt Ivair Pinto
    Data de Defesa
    2023-08-25
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    183
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Alexsander Lemos de Almeida Gebara
    Andrea Barbosa Marzano
    Marcelo Bittencourt Ivair Pinto

    Resumo

    O presente trabalho tem como objetivo tecer uma análise sobre as vivências de mulheres
    em Luanda, marcada por relações desiguais de poder. Desde o colonialismo até a
    independência de Angola, as mulheres terão suas vivências permeadas pelo gênero e
    outras interseccionalidades, como a raça e a classe. Nesse sentido, estabelece-se uma
    análise comparativa entre as experiências das mulheres brancas, negras, nativas e
    imigrantes, num ambiente colonial marcado por privilégios e exclusões. Além disso, a
    proposta também perpassa por analisar as movimentações de mulheres durante o
    período da guerra anticolonial, percebendo as suas frentes de atuação, bem como os
    objetivos que queriam alcançar. As diferentes experiências permitem notar as dinâmicas
    de memória e esquecimento. Assim, a dissertação visa a olhar pessoas às margens das
    narrativas hegemônicas.




  • 2023-08

    UNIDADE DA VIDA E DO MUNDO: UMA BIOGRAFIA HISTÓRICA DE VERA SÍLVIA MAGALHÃES (1948-2007)

    Título

    UNIDADE DA VIDA E DO MUNDO: UMA BIOGRAFIA HISTÓRICA DE VERA SÍLVIA MAGALHÃES (1948-2007)

    Autor
    Higor Codarin Nascimento
    Orientador(a)
    Daniel Aarão Reis Filho
    Data de Defesa
    2023-08-24
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    540
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Caroline Silveira Bauer
    Daniel Aarão Reis Filho
    Denise Rollemberg Cruz
    Marcelo Siqueira Ridenti
    Rodrigo Patto Sá Motta

    Resumo

    Esta tese tem por objetivo realizar uma biografia histórica de Vera Silvia Magalhães.
    Militante política da Dissidência Comunista da Guanabara, posteriormente Movimento
    Revolucionário 08 de Outubro (DI-GB/MR-8), fez parte da esquerda armada brasileira contra
    a ditadura civil-militar. Presa e exilada em meados de 1970, realizou treinamento guerrilheiro
    em Cuba e estava no Chile no momento da derrubada de Salvador Allende. Passou longo
    período na Europa e retornou ao Brasil após a Lei da Anistia, em 1979. Partindo de uma
    perspectiva historiográfica do gênero biográfico, procurou-se tecer as relações entre indivíduo
    e sociedade, entre escolhas e determinações. Através da análise de uma "personagem limite"
    da geração 1968, fundada em marcos rebeldes e revolucionários, buscou-se aprofundar as
    análises a respeito da subjetividade militante, constituída e constituinte de um ethos
    revolucionário. Realçou-se, por um lado, as questões de gênero relacionadas à militância em
    uma organização e, sobretudo, em uma cultura política majoritariamente masculina. Por outro,
    mobilizou-se questões outras, pouco tratadas pela historiografia, a respeito do engajamento e,
    especialmente, desengajamento dos militantes que optaram pela luta armada como forma de
    derrubar a ditadura e realizar a revolução brasileira. Como uma análise microscópica do cosmo
    social, a trajetória de Vera ilumina a viagem através do tempo da geração de 1968 brasileira,
    desde sua formação até o retorno ao Brasil após o exílio, momento em que a revolução havia
    deixado de figurar no horizonte. Como "caso-limite", o descompasso, a desorientação e o
    estranhamento de Vera no exílio e, especialmente, na volta ao Brasil, como representação, pela
    margem, dos estranhamentos e desorientações de toda uma geração.




  • 2023-08

    LUTA PELA TERRA E FORMAÇÃO DO MST NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DURANTE O PRIMEIRO GOVERNO BRIZOLA (1983-1987): MEMÓRIA E CLASSE 

    Título

    LUTA PELA TERRA E FORMAÇÃO DO MST NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DURANTE O PRIMEIRO GOVERNO BRIZOLA (1983-1987): MEMÓRIA E CLASSE 

    Autor
    Raul de Almeida Santos
    Orientador(a)
    Manoela da Silva Pedroza
    Data de Defesa
    2023-08-24
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    144
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Leonilde Servolo de Medeiros
    Manoela da Silva Pedroza
    Mario Grynszpan

    Resumo

    A presente dissertação tem como objetivo analisar as disputas em torno da luta pela terra no estado do Rio de Janeiro durante a década de 1980, mais detidamente no primeiro governo de Leonel Brizola (1983-1987). As relações estabelecidas entre movimentos de ocupação e o aparato estatal voltado para reforma agrária, montado pela gestão Brizola, e o processo de organização do MST-RJ suscitam debates e interpretações que apontam para uma postura assistencialista por parte do governo e cooptação de lideranças para agências do Estado e/ou para o PDT, o que teria resultado na dificuldade de organização do MST no estado. Para entender esses processos analisaremos a documentação sobre os assentamentos criados pelo primeiro governo Brizola partindo da concepção de Estado em Gramsci para pensar as relações entre lideranças inseridas na luta pela terra e agências estatais, além de investigar a construção da memória da luta pela terra no período e a formação de uma base de apoio nos assentamentos do Rio de Janeiro. Utilizamos as fontes documentais do acervo do Instituto de Terras e Geografia do Estado do Rio de Janeiro (ITERJ) entendendo que, para além de cooptação e assistencialismo, as relações entre lideranças inseridas na luta pela terra e o aparato estatal são movimentos mais complexos inseridos em uma perspectiva de disputa de projetos e que a historicização dos movimentos de ocupação de terra no estado desde a década de 1980 é um esforço necessário para compreendermos a formação do MST-RJ e a memória construída pelo Movimento.




  • 2023-08

    AS SEARAS E AS MATAS: Agricultura, manejo e ocupação colonial do território amazônico

    Título

    AS SEARAS E AS MATAS: Agricultura, manejo e ocupação colonial do território amazônico

    Autor
    Juliano Menegat de Paula Paixão
    Orientador(a)
    Leonardo Marques
    Data de Defesa
    2023-08-02
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    162
    Volumes
    Banca de Defesa
    Eduardo Góes Neves
    Leonardo Marques
    Rafael de Bivar Marquese

    Resumo

    Descobertas arqueológicas recentes revelam a modificação da paisagem e a
    domesticação de espécies vegetais pelos povos pré-coloniais, desafiando a ideia de que a
    exploração colonial da região amazônica era apenas um extrativismo de produtos
    espontâneos da mata. Esses povos praticam o manejo desses produtos há milhares de anos,
    evidenciando a importância dos aspectos culturais na distribuição e ocorrência destes
    produtos, explorados pela colonização portuguesa, na floresta. O estudo também aborda a
    presença dos grandes assentamentos permanentes e práticas sintrópicas indígenas coerentes
    com a biorregião ocupada. Enquanto as práticas europeias neste território resultaram em
    esgotamento ecológico, estas práticas indígenas estavam em harmonia com a floresta tropical.
    O objetivo é compreender o encontro dessas diferentes formas de ocupação e explorar a
    exploração colonial de produtos agrícolas, incluindo as drogas do sertão, sob a perspectiva do
    manejo indígena e da relação entre ser humano e natureza. Este trabalho busca uma
    perspectiva interdisciplinar sobre a relação entre os grupos humanos e a Amazônia, refletindo
    sobre diferentes formas de ocupação das florestas tropicais e a destruição ambiental iminente.
    A pesquisa abrange o período que vai desde a ocupação indígena pré-colombiana até a
    colonização portuguesa, utilizando disciplinas como antropologia, arqueologia e
    etnobotânica.




  • 2023-07

    Reformar o governo, conservar o império Economia política e administração. Angola, Bahia e Rio de Janeiro (1750-1777)

    Título

    Reformar o governo, conservar o império Economia política e administração. Angola, Bahia e Rio de Janeiro (1750-1777)

    Autor
    Naira Maria Mota Bezerra
    Orientador(a)
    Renato Júnio Franco
    Data de Defesa
    2023-07-27
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    247
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Arthur Almeida Santos de Carvalho Curvelo
    Leonardo Marques
    Luciano Raposo de Almeida Figueiredo
    Maximiliano Mac Menz
    Renato Júnio Franco

    Resumo

    Este trabalho tem por tema os governos de Angola, Bahia e Rio de Janeiro e as reformas
    administrativas econômicas ocorridas no período pombalino. O objetivo é compreender o
    papel dos governos de três dos principais centros políticos e econômicos no atlântico
    português no processo reformista ocorrido entre 1750 e 1777. A hipótese central sustentada
    é que os governos de Angola, Salvador e Rio de Janeiro foram peças fundamentais para o
    diagnóstico e a implementação de reformas administrativas e econômicas que articularam
    problemas políticos locais, imperiais e globais. Para tanto, o exercício foi o levantamento
    dos principais temas abordados na correspondência dos governos para os órgãos centrais da
    monarquia (Secretarias de Estado, Conselho Ultramarino e diplomacia portuguesa em Madri
    e Londres). A análise se deu a partir da História Global, compreendida neste trabalho como
    um campo metodológico que permite articular múltiplos tempos e espaços a partir das
    premissas de conexão, comparação e integração. Desse modo, temas políticos encontrados
    nos documentos dos governos, por mais internos e circunscritos às realidades de Angola,
    Salvador da Bahia e Rio de Janeiro não eram exclusivos desses locais. Antes, eram também
    agendas políticas importantes à Coroa portuguesa relacionadas a problemas comuns às
    monarquias europeias e aos temas políticos globais.




  • 2023-07

    PERIODISMO FOLIÃO: JORNAIS CARNAVALESCOS DOS CLUBES PEDESTRES RECIFENSES NO ALVORECER DA REPÚBLICA

    Título

    PERIODISMO FOLIÃO: JORNAIS CARNAVALESCOS DOS CLUBES PEDESTRES RECIFENSES NO ALVORECER DA REPÚBLICA

    Autor
    Luiz Vinícius Maciel Silva
    Orientador(a)
    Martha Campos Abreu
    Data de Defesa
    2023-07-14
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    178
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Leonardo Affonso de Miranda Pereira
    Martha Campos Abreu
    Rita de Cássia Barbosa de Araújo

    Resumo

    Esta dissertação tem como objetivo analisar os jornais carnavalescos publicados pelos
    clubes carnavalescos pedestres em atuação na cidade do Recife na virada dos séculos XIX
    e XX. Entende-se tais jornais como instrumentos de tensionamento político e
    posicionamento sociocultural dessas associações recreativas, busca-se elencar suas
    principais características, assim como investigar suas articulações com o tecido social
    mais amplo da cidade do Recife. Os jornais carnavalescos são materiais capazes de
    levantar questões sobre o ambiente festivo, mas também apresentam indícios importantes
    acerca das sociabilidades negras e trabalhadoras do Recife do início da República. Este
    estudo foi capaz de compreender os jornais carnavalescos como produtos muito ligados
    a um operariado gráfico, onde muitos tipógrafos atuavam na sua produção, em nome dos
    clubes em que se organizavam recreativamente. É importante, também, reconhecer tais
    jornais como uma ferramenta de autoinscrição histórica dos sujeitos que estavam por trás
    deles, em um contexto de opressão classista e racista. Os jornais carnavalescos são uma
    resposta a um desejo por história, de sedimentação de fazeres e vivências de sujeitos
    subalternizados.




  • 2023-07

    Revolta da Chibata e João Cândido: olhares e perspectivas na História Escolar

    Título

    Revolta da Chibata e João Cândido: olhares e perspectivas na História Escolar

    Autor
    Geisa Oliveira Balbino Ferreira
    Orientador(a)
    Martha Campos Abreu
    Data de Defesa
    2023-07-13
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    145
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Álvaro Pereira do Nascimento
    Larissa Moreira Viana
    Martha Campos Abreu

    Resumo

    A presente pesquisa objetiva compreender como as produções sobre a Revolta da
    Chibata de 1910 e o marinheiro João Cândido Felisberto, considerado o líder do levante, se
    manifestam no Tempo Presente nos livros didáticos, mais precisamente nos livros do 9° ano
    da disciplina de História. Esses livros foram selecionados pelo PNLD (Programa Nacional do
    Livro Didático), no ano de 2020, e destinados às escolas públicas brasileiras, do Ensino
    Fundamental II. Visando realizar uma análise comparativa da circularidade dos
    conhecimentos sobre a Revolta e seu líder em outros livros didáticos, estabelecemos como
    parâmetro de recorte temporal a comemoração do centenário da Revolta da Chibata no ano de
    2010. Por isso, utilizaremos também os exemplares do PNLD 2011, ano subsequente a esta
    celebração. Os livros didáticos de História foram as principais fontes utilizadas nesse
    trabalho. Contribuir para uma perspectiva de educação antirracista a partir da historiografía e
    escrita da história escolar no ensino básico é um dos principais objetivos desta dissertação.




  • 2023-07

    TENSÕES NA ESCOLA DO IMPERADOR: UMA CRÍTICA À HISTÓRIA ÚNICA DOS TRABALHADORES DO COLÉGIO PEDRO II (1837-1889)

    Título

    TENSÕES NA ESCOLA DO IMPERADOR: UMA CRÍTICA À HISTÓRIA ÚNICA DOS TRABALHADORES DO COLÉGIO PEDRO II (1837-1889)

    Autor
    Letícia Sousa Campos da Silva
    Orientador(a)
    Paulo Cruz Terra
    Data de Defesa
    2023-07-13
    Nivel
    Doutorado
    Páginas
    299
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Alessandra Frota Martinez de Schueler
    Fabiane Popinigis
    Keila Grinberg
    Paulo Cruz Terra
    Ynaê Lopes Dos Santos

    Resumo

    Esta tese teve como objeto o Colégio Pedro II no século XIX a partir de um ponto de
    vista que articulou os campos da história da educação e da história social do trabalho
    com as perspectivas decoloniais. Trata-se de um estudo cujo objetivo central foi encarar
    a escola como um espaço de trabalho e, portanto, examinar as condições laborais das
    pessoas a serviço desse estabelecimento de ensino desde sua fundação, em 1837, até o
    final do Império. A pesquisa pretendeu, ainda, dar visibilidade a trabalhadores que não
    têm sido lembrados nas narrativas construídas a respeito da instituição e
    desmonumentalizar uma obra tomada como seu sustentáculo – a saber: a Memória
    Histórica do Colégio de Pedro Segundo, publicada no ano de seu centenário. Por essa
    razão, fundamentou-se em um corpus documental variado contendo o Almanaque
    Laemmert, dispositivos legais, relatórios ministeriais e diversos manuscritos, sobretudo
    os papeis trocados entre os reitores do colégio e as autoridades imperiais. Assim
    procedendo, as principais discussões centraram-se nos impactos da ideologia liberal de
    vertente imperial-escravista sobre a organização escolar; na coexistência de livres e
    escravizados na composição da força de trabalho do colégio; nos conflitos decorrentes
    das relações laborais e nas estratégias para a mobilização de direitos com foco na
    atuação dos serventes africanos livres, dos inspetores de alunos e dos professores.




  • 2023-07

    "O PNLD no contexto de ruptura institucional: o desmonte de uma política pública (2017/2021)"

    Título

    "O PNLD no contexto de ruptura institucional: o desmonte de uma política pública (2017/2021)"

    Autor
    Igor Luis Santos Marques de Oliveira
    Orientador(a)
    Laura Antunes Maciel
    Data de Defesa
    2023-07-07
    Nivel
    Mestrado
    Páginas
    158
    Volumes
    1
    Banca de Defesa
    Alexandra Lima da Silva
    Flávia Eloisa Caimi
    Laura Antunes Maciel

    Resumo

    Esta dissertação historiciza o Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD)
    priorizando os sentidos políticos do Decreto no 9099/2017. Problematizam-se os mecanismos
    de produção dos livros didáticos a partir da análise histórica da concepção desses materiais
    desde 1985, bem como a historicidade dos editais e guias do livro didático elaborados após o
    referido decreto. Demonstra-se a imbricação do PNLD com outras duas modificações
    curriculares postas em prática após 2016: a terceira versão da BNCC e a Reforma do Ensino
    Médio, mapeando a atuação de determinados sujeitos e as concepções curriculares
    subjacentes que explicam, também, o crescimento do mercado de sistemas estruturados de
    ensino. A atuação da imprensa alinhada com as modificações curriculares citadas é valorizada
    enquanto meio de produção de sentidos que as legitimam, especialmente no que se refere à
    noção de qualidade educacional. Identifica-se nesta documentação uma rede de
    "especialistas" que escrevem em grandes periódicos há décadas sobre assuntos educacionais,
    defendendo princípios de mercado para a organização da educação pública, além de transitar
    em cargos governamentais de determinados governos. Por fim, a pesquisa apresenta a
    configuração do produto "Livro Didático de História" por meio de entrevistas com autores
    desses materiais, analisando suas perspectivas e experiências no PNLD, além de algumas
    apropriações desses livros por parte de professores de História e seus estudantes.




language

Siga-nos