Conspiração dos Suassunas - Pernambuco
Venda em Recife, Johann Moritz Rugendas, 1835.

A Conspiração dos Suassunas, também conhecida como Revolta dos Suassuna, ocorreu em 1801, na cidade de Olinda, Pernambuco. Os principais suspeitos de liderança dessa revolta foram os irmãos Suassuna, Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque e Luís Francisco de Paula, foram denunciados por compactuar e disseminar ideias iluministas e relacionadas a questões emancipatórias. Uma de suas peculiaridades se deu pela ausência do julgamento dos líderes como traidores e de condenações extremas e execuções, características essas que diferenciaram esse evento de outras revoltas coloniais, como, por exemplo, a Conjuração Baiana e a Inconfidência Mineira. Outra observação a ser destacada é a condição social dos envolvidos, pois eram donos de engenhos e possuíam influência política e social.

As denúncias surgiram a partir de especulações sobre reuniões feitas no "aerópago" e em lojas maçônicas. O juiz da capitania procurou o governo interino após as denúncias. Esse governo era constituído pela junta da qual participavam o bispo José Joaquim da Cunha de Azevedo Coutinho, o intendente da marinha Pedro Sheverim e José Joaquim Nabuco de Araújo, o ouvidor. Após a denúncia, foi decretada a prisão dos dois irmãos, Francisco de Paula e Luís, tendo uma Devassa sido instaurada e conduzida pelo próprio juiz de Olinda. Em seguida a esses acontecimentos o denunciante foi preso e medidas de cautela em relação à correspondências do correio marítimo encaminhado para Lisboa foram criadas com intuito de evitar que a família dos irmãos tomasse conhecimento do ocorrido.
A Devassa não teve resultados que justificassem a prisão dos irmãos em função da fragilidade por ausência de provas e, sendo assim, em 8 de Junho de 1801, os irmãos Suassuna foram soltos e considerados inocentes das acusações sofridas. Em suma, a possibilidade de uma "Conspiração dos Suassuna" é marcada por ser a conspiração que não saiu do campo das ideias. e ganho seu nome em virtude de que um dos irmãos, Francisco de Paula, era o proprietário do Engenho Suassuna.

Esse texto e as informações sobre o documento [Carta dirigida a Dom Rodrigo Sousa Coutinho expondo os termos e o assunto da carta que José Francisco de Paula escreve a seus irmãos] disponíveis no site Impressões Rebeldes são de autoria de Gabriel Gaspar, Pedro Henrique Carvalho, Sthephanie Antero e Isabella Antunes, alunos do curso de graduação em História da UFF. Trabalho realizado para a disciplina “Revoltas e Revoluções na Época Moderna: Europa e Brasil Colônia” no 2º semestre de 2015.
Conspiração dos Suassunas - Pernambuco

Outras designações

Confederação dos Suassunas; Conjuração dos Suassuna

Bibliografia

ANDRADE, Breno Gontijo. A carta de amor extraviada ou sobre a conspiração epistolar desencontrada: Indagações sobre a existência da suposta Conspiração dos Suassuna ocorrida no memorável ano de 1801. Saeculum - Revista de História [28]. João Pessoa, jan/jun 2013. Pp. 295 - 309

NEVES, Guilherme Pereira das. A suposta Conspiração de 1801 em Pernambuco: Idéias ilustradas ou conflitos tradicionais? Revista Portuguesa de História, tomo 33 (1999). Pp. 439 - 481