Revista Impressões Rebeldes

NOBREZA NO CADAFALSO

Lista oficial dos condenados pelo crime de tentativa de regicídio sofrido por D. José I, acompanhada da descrição macabra dos castigos impostos a cada um, revela um dos momentos mais sangrentos da história de Portugal

Execução dos Távoras, estampa da época (1759-60) Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Processo_dos_T%C3%A1voras#/media/Ficheiro:Tavoras_Execution.JPG

Gabriel Gaspar

Gabriel de Abreu M. Gaspar é graduando em História na Universidade Federal Fluminense e bolsista de iniciação científica (PIBIC). Pesquisa a Conjuração Baiana de 1798 e a trajetória administrativa de Fernando José de Portugal e Castro (1752-1817).

Acessar Lattes

Lisboa. Noite de 3 de setembro de 1758. Uma carruagem percorria uma rua secundária de capital do Império Português. Nela, sem escoltas, estava o rei, D. José I, que retornava aos aposentos reais no Palácio da Ajuda. Quando se aproximava do local onde hoje se encontra a Igreja da Memória, construída justamente em agradecimento a Deus por sua salvação diante do atentado sofrido, a carruagem é detida por um grupo de homens que disparou “golpes de fogo” quase à queima roupa contra o rei, causando lesões em um braço e nas costas. O atentado ficou em segredo por dois meses e a população portuguesa nada sabia. No entanto, os diplomatas estrangeiros especularam sobre as causas da tentativa de assassinato. O representante da França apontava como causa o relacionamento amoroso entre o D. José e sua amante, D. Teresa de Távora, irmã e nora de Francisco de Assis, o Marquês de Távora pai.

Seja como for, alguns dias depois, entre 12 e 13 de setembro, a Família Távora foi presa como principal suspeita, juntamente com alguns criados e padres jesuítas. Instaurou-se uma devassa, isto é, um processo criminal, que culminou meses depois com a sentença condenando o Duque de Aveiro, considerado o principal líder da conspiração, e os nobres da importante família Távora por crime de lesa-majestade, em razão da conjuração que planejou o atentado contra Sua Majestade, D. José I. Dentre as causas, os magistrados defendiam que o Duque de Aveiro, proeminente figura da Corte, contrariado pelo rei em pretensões políticas, idealizou e planejou, em conjunto com outros nobres, os Távoras, o assassinato do Rei.

Condenados à pena capital fazia-se necessário uma demonstração pública voltada a todos os súditos do reino que servisse de exemplo para ensinar o fim que esperava os traidores.

Execução dos Távoras, estampa da época (1759-60)

 

Esboço do patíbulo construído, em Belém, para a execução da Família Távora – Fonte: Arquivo Nacional da Torre do Tombo

 

Os envolvidos no atentado foram executados na manhã do dia 13 de janeiro de 1759. Embora a prática de execuções públicas não fosse estranha ao Antigo Regime, a execução dos Távoras causou espanto pelo rigor de julgamento e punição que a família foi alvo. Diversas descrições das mortes foram escritas e circularam pela Corte e hoje o Impressões Rebeldes publica o registro oficial “Relação das Pessoas que foram punidas pela infame conjuração contra a vida de S. Majestade, D. José I”.

A primeira executada foi a Marquesa Dona Leonor de Távora às 8h15min daquela manhã. Conta o documento que ela “morreu degolada por de trás, sentada em um banco” com seus olhos vendados.

O Conde de Atouguia, D. Jeronimo de Ataíde, genro do Marquês de Távora, “morreu de garrote”, isto é, foi estrangulado sem a suspensão do corpo, “e depois massolado”, partido com pancadas.

Algumas horas depois, foi a vez do Marquês de Távora, Francisco de Assis, “morreu rodado” e “massolado vivo”. Isto significa o corpo do Marquês foi preso à uma roda e teve seus ossos quebrados com maças e martelos até a morte.

Considerado o “principal cabeça” da conjuração, José Mascarenhas, Duque de Aveiro, foi “rodado vivo” e depois “deitado sobre a lenha”, quando seu corpo foi incinerado.

O regicídio era o mais grave dos crimes sob o governo monárquico e, tramado por integrantes da própria nobreza, exigia uma punição exemplar e pública.

Para saber mais acerca desta punição, acesse o documento completo!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia também

    Imprimir página

Compartilhe