Revoltas

Protesto de Soldados no Pará

Capitania do Grão-Pará (1616 – 1821)Belém

Início / fim

setembro de 1755 / setembro de 1755

Data aproximada

Em dezembro de 1752, uma ordem régia estabelecia uma nova base de cálculo para os gastos com a ração das tropas: dez tostões por alqueire de farinha. Insatisfeitos com tal medida que reduzia substancialmente seu pagamento, as tropas de soldados de Belém do Pará abandonam o serviço em agosto de 1755 e entregam suas fardas ao bispo do Pará frei Miguel de Bulhões e Sousa, substituto do governador. O bispo cedeu às demandas das tropas rebeldes e, ao invés de dez, estabeleceu oito tostões por dia.

Confira a localidade de Revolta no Atlas Digital da América Lusa, ou acesse o link http://lhs.unb.br/i3geo/iroko2/cantino.htm?ef93eg526mliml641erjf99ph2

Outras designações

Revolta de Soldados

Tipologia

Modelo de conflito

Grupos Sociais

Reivindicações

Consequência(s)

Soberania

Grupos sociais

Autoridades

Ações de protesto não-violentas

  • Não informadas

Ações de protesto violentas

  • Mobilização de forças militares

Bibliografia Básica

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida. Pombal Cordial. Reformas, fiscalidade e distensão política no Brasil: 1750-1777. In: FALCON, Francisco & RODRIGUES, Cláudia (Orgs.). A “Época Pombalina” no mundo luso-brasileiro. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

SANTOS, Fabiano Vilaça dos. Com as fardas nos braços: motins de soldados no Pará e Rio Negro (1755/1757). In: Anais eletrônicos do XXIV Simpósio Nacional de História – História e multidisciplinaridade: territórios e deslocamentos. São Leopoldo, 2007.

    Imprimir página

Compartilhe