Revoltas

Revolta da Praia de Sangue

Capitania de São José do Rio Negro (1755 – 1821)Rio Negro

Início / fim

1790 / 1790

Diante da tentativa de estabelecimento de aldeamentos indígenas na região do Rio Branco, os indígenas já se rebelavam desde 1780. Entretanto, em 1790 ocorreu o mais violento dos conflitos: a Revolta da Praia de Sangue. Devido a prisão de um chefe indígena, os índios abandonaram os trabalhos na construção do Forte de São Joaquim. Em represália, o governador da Capitania do Rio Negro, Lobo D’Almada ordenou ataques aos índios que culminaram com a morte do líder e destruição dos aldeamentos. A denominação advém de relatos antigos que afirmam que o número de mortes foi tamanho que tingiu as águas do Rio Branco de vermelho. A denominação advém de relatos antigos que afirmam que o número de mortes foi tamanho que tingiu as águas do Rio Branco de vermelho.

Conjuntura e contexto

Trabalho forçado de indígenas aldeados

Grupos sociais

Autoridades

Ações de protesto não-violentas

  • Desobediência

Ações de protesto violentas

  • Não informadas

Repressão

Contenção

  • Expedição armada ou repressão militar

Punição

  • Execução

Instâncias Administrativas

  • Governador da Capitania

Bibliografia Básica

SILVA NETO, Manoel Aires da. Migrantes nordestinos no vale do Rio Branco. TEXTOS&DEBATES, Boa Vista, n.18, p. 73-92.

BARBOSA, Reinaldo Imbrozio. Ocupação humana em Roraima: 1. Do histórico colonial ao início do assentamento dirigido. Boletim Museu Paraense Emilio Goeldi, 9, 1993.

    Imprimir página

Compartilhe