Revoltas

Manifestação indígena a favor de Portugal

Capitania de Pernambuco (1534 – 1821)Cimbres

Início / fim

1823 / 1823

Na fotografia de Eric Gomes, detalhes da pintura corporal e vestimenta de um indígena da etnia Xucuru nos dias de hoje - Disponível em: XIX Assembleia Xukuru do Ororubá de 17 a 20 de maio de 2019 https://revistacontinente.com.br/SECOES/COBERTURA/ASSEMBLEIA-XUKURU--COM-OS-ENCANTADOS-EM-DEFESA-DA-VIDA

Em pleno processo de emancipação, no qual o Brasil já havia declarado independência de Portugal e buscava escrever uma nova constituição, os índios das etnias xucuru e paritió se encontravam infelizes. Isso porque eles não mantinham uma boa relação com os políticos da região de Cimbres, Pernambuco, que eram separatistas. Estes políticos e poderosos locais haviam tentado por muitos anos invadir as terras indígenas, e o aumento de sua influência com o sucesso político da independência não era visto com bons olhos pelos povos nativos.

Apesar da falta de provas, há a possibilidade de um político opositor aos separatistas ter convencido os índios a darem vivas a Dom João VI em público. Cooptados ou não, eles o fizeram, e sua punição foi a prisão.

O complexo processo de emancipação brasileiro passou por diversas batalhas regionais, que envolveram disputas sociais, militares e políticas que não se restringiram à Corte do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas. Tampouco se encerraram com o “grito do Ipiranga” em setembro de 1822.

Disputas importantes ocorreram em províncias mais afastadas, como a formação do popular Exército Libertador, o cerco às tropas portuguesas na Bahia em 1823 e, no mesmo ano, a batalha às margens do rio Jenipapo no Piauí, que juntou as forças locais às cearenses e maranhenses. No entanto, é apenas em 1825 e depois de muitas colisões entre os dois lados que Portugal finalmente reconhece a derrota por meio do Tratado de Paz, Amizade e Aliança.

Antecedentes

Grito do Ipiranga

Ações de protesto não-violentas

  • Aclamação de autoridades
  • Desobediência

Ações de protesto violentas

  • Não informadas

Repressão

Contenção

  • Prisões

Punição

  • Não informadas

Bibliografia Básica

COSTA, João Paulo Peixoto. Mata que é corcunda! Os índios do Ceará na guerra de independência do Piauí. Habitus: Revista do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, Goiânia, v. 14, n. 2, p. 243-262, jul./dez. 2016.

    Imprimir página

Compartilhe