• contato
  • Perguntas frequentes
  • twitter
  • facebook
English

VOLUME 21, 2015

ISSN 1980-542X
DOI: 10.5533/TEM-1980-542X-20131734

Normas de publicação

atualizadas

Construção de hegemonia político-cultural no contexto da transição: Narrativas sobre democracia e socialismo em Encontros com a Civilização Brasileira, Cuadernos de Marcha (segunda época) e Controversia (1979-1985)Artigo

Cristiano Pinheiro de Paula Couto – Universidade de São Paulo

Na América Latina dos anos 1960, a “necessidade histórica” de uma ruptura revolucionária impôs-se de tal forma que, em alguns momentos, até mesmo partidos conservadores viram-se compelidos a propor uma “revolução em liberdade”. As investidas da contrarrevolução iriam provocar inversões: se, nos anos 1960, a “revolução” foi o discurso hegemônico, nos anos 1980, o mote dominante foi a “democracia”. Veio incontornável dos debates travados nos círculos intelectuais e nas organizações partidárias da América Latina durante o fim dos anos 1970 e no transcurso dos anos 1980, a “questão democrática” pertence ao campo semântico de uma categoria imprescindível para o estudo das revistas político-culturais latino-americanas desse período, qual seja, a democracia. Nesse contexto de transição, parte significativa da batalha das ideias, na América Latina e em outras regiões do Ocidente, estava centralizada na noção de democracia, reclamada por quase todas as vertentes ideológicas. Tendo em conta esse contexto de transição, proponho-me a analisar, no corpus de textos de três publicações político-culturais latino-americanas, a tensão e os nexos entre dois grandes relatos da modernidade: democracia e socialismo

Próximo lançamento

A Aplicação do Código Comercial brasileiro entre 1850 e 1860: Análise das Evidências de um Caso de Falência Culposa

Hanna Sonkajärvi - Universidad del País Vasco

Em breve

Entre a elite e o povo: o sport no Rio de Janeiro do século XIX (1851-1857)

Victor Andrade de Melo – Universidade Federal do Rio de Janeiro

A presença inglesa no Império Brasileiro: a firma Edward Johnston & Co. e o comércio exportador, 1842-1852

Carlos Gabriel Guimarães - Universidade Federal Fluminense

Lançados

Artigos

Especiarias na Amazônia portuguesa: circulação vegetal e comércio Atlântico no final da Monarquia Hispânica
Alírio Cardoso – Universidade Federal do Maranhão

ARTIGO

Na primeira metade do século XVII, surgem diversas propostas para recuperar a economia portuguesa, principalmente após o fim da União Ibérica (1640). Na mesma época, os moradores do Estado do Maranhão e Grão-Pará propõem uma solução: a exploração de certos produtos locais semelhantes às antigas especiarias asiáticas. O objetivo deste trabalho é analisar o fenômeno do surgimento das especiarias na Amazônia portuguesa e o papel da região no contexto político-econômico do fim da união monárquica.

A East India Company e a perda portuguesa da Província do Norte
Pedro Nobre - Centro de História de d’Áquem e d’Álem-Mar

ARTIGO

O relacionamento anglo-português na Ásia foi marcado por cooperação e antagonismo, numa convivência pragmática, flexível e adaptável às circunstâncias. Essa interação complexa e de múltiplas facetas teve nas guerras luso-maratas da década de 1730 um exemplo paradigmático de como foi gerida a proximidade fronteiriça entre o governo de Bombaim e o Estado da Índia. Neste artigo, pretendemos analisar as dinâmicas de interação anglo-portuguesa no contexto particular dos ataques maratas à Província do Norte e enquadrá-las no longo processo relacional iniciado quando da cedência de Bombaim.