O POLIS se reúne na Universidade Federal Fluminense (Campus do Gragoatá, s/n, bloco N, sala 216 – Niterói – RJ)

Links

O Rio de Janeiro esteve representado na ANPUH desde a origem da associação. A seção estadual da ANPUH Rio de Janeiro foi reorganizada nos anos 80 e atualmente conta com cerca de 400 associados em todo o estado. É o maior núcleo em número de associados da ANPUH. Muitos dos seus membros estão organizados em Grupos de Trabalho, que tratam de temas históricos específicos. Além disso, a participação de associados do Rio de Janeiro é importante no Fórum de Pós-Graduação e, no ano de 2004, prepara-se o lançamento do I Fórum Regional de Graduação.

Em 19 de outubro de 1961 foi fundada, na cidade de Marília, estado de São Paulo, a Associação Nacional dos Professores Universitários de História, ANPUH. A entidade trazia na sua fundação a aspiração da profissionalização do ensino e da pesquisa na área de história, opondo-se de certa forma à tradição de uma historiografia não- acadêmica e autodidata ainda amplamente majoritária à época.

A Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica (ABPHE), fundada em 10 de setembro de 1993, é uma sociedade civil sem fins lucrativos, que congrega economistas, historiadores, cientistas sociais e outros estudiosos da história econômica e disciplinas afins (história de empresas, história do pensamento etc.).

O Departamento de História da Universidade Federal Fluminense foi criado na década de 1970. Os professores do curso são altamente qualificados, sendo a maioria doutores em História. Do trabalho docente desenvolvido destaca-se a qualidade da investigação científica produzida no âmbito de grupos de pesquisa estabelecidos em torno de laboratórios e núcleos de pesquisa histórica e cuja produção alcança grande reconhecimento público.

A IEHA foi criada em 1960 e reúne historiadores econômicos de quase 40 países na África, América, Ásia, Europa e Oceania. Hoje a sede da Associação é Utrecht. Os objetivos da IEHA são manter e desenvolver contatos pessoais entre os estudiosos interessados ​​em história econômica e incentivar todas as formas de pesquisas e publicações relevantes para o desenvolvimento e difusão da história econômica.

O Laboratório de História Econômica e Social foi criado em 1997 por um grupo de professores do Departamento de História da UFJF com o objetivo de consolidar uma linha de pesquisa nesta área visando fortalecer o projeto de implantação de um programa de pós-graduação em História.

O Núcleo de Pesquisas sobre Estado e Poder no Brasil filia-se às linhas de pesquisa “Poder e Sociedade” e “Cultura e Sociedade” do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, trabalhando de forma privilegiada na interseção entre elas uma vez que seus integrantes procuram enfatizar em seus estudos e pesquisas a relação entre Estado e Poder em suas distintas manifestações e contextos históricos.

Constituído em 2003, o NIEP-Marx articula o trabalho de ensino e pesquisa no campo marxista desenvolvido por professores e pesquisadores da UFF em diversas unidades.

Os Cadernos Cemarx têm o objetivo de divulgar os resultados preliminares de trabalhos e pesquisas em andamento, visando contribuir para a construção de uma base teórica e política crítica que dialogue com as diversas correntes do marxismo. Os textos podem tratar de temas variados, relacionados à conjuntura tanto política quanto teórica, não se exigindo a apresentação de uma análise conclusiva acerca do assunto a ser discutido, nem o desenvolvimento de uma abordagem original do mesmo.

A Revista publica trabalhos teóricos sobre economia do desenvolvimento e macroeconomia que adotem o método hipotético-dedutivo, assim como papers fazendo a critica da teoria econômica.

A REPHE – Revista de Economia Política e História Econômica – constitui mais um periódico acadêmico que visa promover a exposição, o debate e a circulação de idéias referentes às áreas de história econômica e economia política.

A Revista de História da Biblioteca Nacional e o seu site são publicações da Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional (Sabin), com apoio do Ministério da Cultura e patrocínio da Petrobras e outras grandes empresas, sob o amparo da Lei Rouanet.

A revista História & Luta de Classes nasce em tempos de domínio social da barbárie neoliberal e de hegemonia conservadora no pensamento acadêmico, com destaque para a área da História e das Ciências Sociais. Ela procura servir como ferramenta de intervenção de historiadores e produtores de conhecimento que se recusam a aderir e se opõem ativamente a essa dominação.

Tempo – Revista do Departamento de História da UFF, criada em 1996 por iniciativa do Departamento e Programa de Pós-Graduação em História, é uma publicação destinada à divulgação e discussão de trabalhos de pesquisa no campo da História. Ao longo dos últimos anos de publicações semestrais, a revista consolidou-se como fórum importante de debate da história em suas diferentes modalidades – história social, econômica, política, dentre outras -, cumprindo seu objetivo de constituir-se em canal relevante de publicação de pesquisas científicas inovadoras geradas por historiadores do país e do exterior.

Trabalho Necessário é uma publicação eletrônica do Núcleo de Estudos, Documentação e Dados sobre Trabalho e Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (neddate-uff). A Revista procura recuperar em seu título um dos conceitos centrais do pensamento marxiano. Conceito que, se por um lado, refere-se à atividade vital da espécie humana, e, também, à medida e à substância do valor, por outro lado, remete à compreensão de que o embate político – teórico e prático – pela superação da sociedade das mercadorias não pode ser deixado de lado. Enfim, o trabalho será sempre necessário.

A Sociedade Brasileira de Economia Política (SEP) foi criada em junho de 1996, durante a realização do I Encontro Nacional de Economia Clássica e Política, na Universidade Federal Fluminense, em Niterói (RJ). Ao final desse Encontro foi realizada a assembléia de fundação da SEP, que aprovou seus estatutos e elegeu sua primeira diretoria. A SEP é uma sociedade civil sem fins lucrativos, que tem por objetivo primordial garantir um espaço ampliado de discussão a todas as correntes teóricas e áreas de trabalho que entendam a economia como uma ciência inescapavelmente social e que, por isso, tenham na crítica ao mainstream seu elemento comum.