Skip to content Skip to navigation

Revista Contemporânea Dossiê 9

Apresentação - Gabriel Trigueiro e Renata Schittino

Dossiê Violência e mundo contemporâneo

1) Combates na Terra da Luz: a luta da esquerda armada no Ceará durante a Ditadura Civil-Militar (1968-72) - Aírton de Farias | Resumo

2) A Espada de Bolívar: guerra e paz na trajetória do M-19 na Colômbia - Maurício Santoro | Resumo

3) “O assalto foi um erro porque não deu certo”. Ações armadas do PCBR na Bahia e o seu pragmatismo revolucionário durante a década de 1980 - Lucas Porto Marchesini Torres | Resumo

4) Tiros em Columbine: violência e medo na política estadunidense - Claudio da Silva | Resumo

5) A não violência em teoria: Gandhi, Gene Sharp e seus críticos - Rodrigo Farias | Resumo

6) “Rumo à Vitória”: O Partido Comunista Português e a luta armada - Ana Sofia Ferreira | Resumo

7) A violência fica no passado? A questão do tempo moderno e as políticas de justiça de transição - Denise Felipe Ribeiro | Resumo

8) Em rota de colisão: fracasso da mediação, violência política e a Grande Revolta Árabe da Palestina (1929-1939) - Luiz Salgado Neto | Resumo

9) A luta armada nos conflitos pela posse da terra na Gleba Cidapar no Pará - Lidenilson Sousa da Silva | Resumo

10) O grotesco e o cruel da sociedade contemporânea: o terrorismo e a violência do Estado por meio da leitura cinematográfica - Raphael Henrique Dias Barroso | Resumo

RESENHA:

Identidades e relações de poder: Olive Schreiner e a crítica ao Império - Marcos Paulo Amorim dos Santos

GOMES, Raquel Gryszczenko Alves. Uma feminista na contramão do colonialismo: Olive Schreiner, literatura e a construção da nação sul-africana, 1880-1902. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2013.

Data: 
20/02/2018
Edição: 
9
Ano: 
2018
Volume: 
1

Chamada para Artigos

A Revista Contemporânea é uma iniciativa do Núcleo de Estudos Contemporâneos (NEC), do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), que se dedica a tornar públicos trabalhos inéditos da comunidade acadêmica nacional e internacional sobre o mundo contemporâneo.

Convidamos autores a apresentarem seus artigos para os Próximos Dossiês da Revista.

 

2016. 1 – Violência política – teoria e história, Prazo final para envio de artigos: 28/02/2016

Organizadores:

Renata Schittino (UFF)

Gabriel Trigueiro (UFRJ)

Pensar o caráter político da violência significa em grande medida esboçar os fundamentos de sua legitimidade. A violência aparece de diversos modos na teoria política, nos acontecimentos históricos, nas concepções simbólicas. Temos uma história perpassada por guerras, revoluções, massacres, violência e terror. Se o século XIX poderia supor que a humanidade caminhava para um desfecho racional, tal formulação não seria mais plausível no século XX. As violências pululavam de todo lado. Genocídios, massacres, terrorismos. A civilização deixava atrás de si seus destroços, se quisermos lembrar a significativa imagem vislumbrada por Walter Benjamin. Diferentes formas e usos da violência viriam transformar aquele discurso da modernidade como um processo de pacificação. Se tomava forma a concepção segundo a qual a violência pode ser encontrada não apenas nas formas mais diretas e claras, mas está presente em todo lugar - nos fundamentos do Estado de direito, nos primórdios das formulações iluministas e humanistas. Michel Foucault não chega a inverter o pressuposto de Clausewitz, observando que a política é “a guerra continuada por outros meios”? -, por outro lado, houve também quem se manifestasse com vigor contra a identificação de poder e violência. Hannah Arendt será enfática nesse sentido sublinhado que “A forma extrema de poder é o Todos contra Um, a forma extrema da violência é o Um contra todos”.

A proposta desse Dossiê é discutir acerca do caráter teórico da violência política e das experiências de violência ao longo da história. Esperamos contar com artigos que se dediquem aos estudos de teorias políticas sobre a violência, tais como encontramos em Weber, Marx, Merleau-Ponty, Sartre, Fanon, Arendt, Foucault, Agamben, Benjamin, Schmitt, Girard, Jünger, dentre outros, bem como com estudos de situações históricas específicas, que tratem de compreender como as formas de violência aparecem, funcionam e se sustentam. Serão muito bem-vindos trabalhos que nos permitam entender como as pessoas optaram por e vivenciaram terrorismo, terror de estado, genocídios, colonização, guerras, revoluções, que permitam, portanto, a reflexão sobre a relação entre poder e violência nas mais diversas experiências de agressão, coação e uso da força.

Serão aceitos artigos em português, inglês e espanhol

Email: contemporânearevistanec@gmail.com

 

 

2016.2 – História e Relações internacionais, Prazo final para envio de artigos: 30/08/2016

Maiores informações no site: http://www.historia.uff.br/nec/

Dossiês Anteriores

Capa - Dossiê 1964-2014, 50 anos depois: a cultura autoritária em questão
Hacked By hide khan from TeaM_CC

Hacked By



We are Team_CC

Facebook


We Are Muslim