Skip to content Skip to navigation

Revista Contemporânea Dossiê 8: Guerras e Revoluções no século XX

Introdução: Nada de Novo no Front: O Século XX em Revista - Vinícius Liebel

DOSSIÊ: Guerras e Revoluções no século XX

1) Entre civilização e barbárie: considerações sobre a passionalidade do comportamento humano na guerra - Jessicka D. Silva | Resumo

2) De pai para filho: a drôle de guerre a partir da correspondência entre Marc e Étienne Bloch (1939-1940) - Jougi Guimarães Yamashita | Resumo

3) La invasión alemana de Bélgica y la movilización visual en la prensa de Buenos Aires. Un estudio sobre las imágenes del diario Crítica durante los inicios de la Gran Guerra - Emiliano Gastón Sánchez | Resumo

4) Anedotas do horror: a Segunda Guerra Mundial nas páginas da Revista Careta - Marcelo Almeida Silva | Resumo

5) A escrita combativa de Carl Einstein - Luiza Amaral | Resumo

6) Literatura e Cultura Política: Berlim e o pós Primeira Guerra Mundial - Tatiana Rodrigues Gama Russo | Resumo

7) O silêncio na relação entre arte e guerra - Ester Cunha | Resumo

8) Políticas da memória da I Guerra Mundial em Portugal – uma breve incursão - Silvia Correia | Resumo

9) Usos políticos das memórias da Segunda Guerra Mundial pelo governo Putin: o culto aos veteranos e a reabilitação do período stalinista - Icles Rodrigues | Resumo

10) As políticas da memória sobre o Holocausto na Alemanha Oriental - Ludmyla Franca | Resumo

11) Recordar Europa - de la herencia historica de la Resistencia - Wolfgang Heuer | Resumo

12) Estilhaços da violência: A Guerra do Contestado e a memória oficial - Rogério Rosa Rodrigues | Resumo

13) A Organização Armada Secreta: a participação da extrema direita francesa na luta armada durante a guerra da Argélia (1954 - 1962) - Guilherme Ignácio Franco de Andrade | Resumo

14) A Revolução Cubana e sua Recepções: Imprensa e Academia - Luís Carlos dos Passos Martins e Vinícius Liebel | Resumo

15) Revolução na Nicarágua e contrarrevolução nos Estados Unidos: os sandinistas, os projetos de intervenção do Governo Reagan-Bush e as narrativas contrarrevolucionárias na revista Commentary Magazine - Roberto Moll Neto | Resumo

16) Consolidação da democracia e revisionismo histórico: Portugal e o 25 de Abril - Pamela Peres Cabreira | Resumo

17) A Guerra do Vietnã e suas representações nas histórias em quadrinhos do Capitão América (1965-1970) - Rodrigo Aparecido de Araújo Pedroso | Resumo

18) O homem do Sputnik e Os cosmonautas: duas chanchadas no contexto da Guerra Fria - Oscar José de Paula Neto | Resumo

FLUXO CONTÍNUO:

1) Das três opções, nenhuma: os “novos bandeirantes” contra a “democracia Liberal”, o “comunismo desagregador” e o “integralismo internacionalista” - George Leonardo Seabra Coelho | Resumo

2) “Coisas da Quinta-Coluna”: teatro e política na capital paraense durante a Segunda Guerra Mundial (1942 – 1943) - Tunai Rehm | Resumo

3) Propaganda e Ufanismo na Ditadura Militar Brasileira – A Apropriação do Discurso Ufanista pelo Sindicalismo Docente de Niterói - Diego da Silva Ramos | Resumo

4) “Dice un General que por medio de un Golpe nos devolvió la Democracia”. Transición a la democracia en Paraguay: perspectivas teóricas e históricas - Magdalena López | Resumo

RESENHA:

Tradição, modernidade, colonialismo e independências: as revoluções biográficas de Chinua Achebe - Lucas Cavalcanti Botelho

ACHEBE, Chinua. A educação de uma criança sob o protetorado britânico. Tradução: Isa Mara Lando. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Data: 
24/12/2015
Edição: 
8
Ano: 
2015
Volume: 
1

Chamada para Artigos

A Revista Contemporânea é uma iniciativa do Núcleo de Estudos Contemporâneos (NEC), do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), que se dedica a tornar públicos trabalhos inéditos da comunidade acadêmica nacional e internacional sobre o mundo contemporâneo.

Convidamos autores a apresentarem seus artigos para os Próximos Dossiês da Revista.

 

2016. 1 – Violência política – teoria e história, Prazo final para envio de artigos: 28/02/2016

Organizadores:

Renata Schittino (UFF)

Gabriel Trigueiro (UFRJ)

Pensar o caráter político da violência significa em grande medida esboçar os fundamentos de sua legitimidade. A violência aparece de diversos modos na teoria política, nos acontecimentos históricos, nas concepções simbólicas. Temos uma história perpassada por guerras, revoluções, massacres, violência e terror. Se o século XIX poderia supor que a humanidade caminhava para um desfecho racional, tal formulação não seria mais plausível no século XX. As violências pululavam de todo lado. Genocídios, massacres, terrorismos. A civilização deixava atrás de si seus destroços, se quisermos lembrar a significativa imagem vislumbrada por Walter Benjamin. Diferentes formas e usos da violência viriam transformar aquele discurso da modernidade como um processo de pacificação. Se tomava forma a concepção segundo a qual a violência pode ser encontrada não apenas nas formas mais diretas e claras, mas está presente em todo lugar - nos fundamentos do Estado de direito, nos primórdios das formulações iluministas e humanistas. Michel Foucault não chega a inverter o pressuposto de Clausewitz, observando que a política é “a guerra continuada por outros meios”? -, por outro lado, houve também quem se manifestasse com vigor contra a identificação de poder e violência. Hannah Arendt será enfática nesse sentido sublinhado que “A forma extrema de poder é o Todos contra Um, a forma extrema da violência é o Um contra todos”.

A proposta desse Dossiê é discutir acerca do caráter teórico da violência política e das experiências de violência ao longo da história. Esperamos contar com artigos que se dediquem aos estudos de teorias políticas sobre a violência, tais como encontramos em Weber, Marx, Merleau-Ponty, Sartre, Fanon, Arendt, Foucault, Agamben, Benjamin, Schmitt, Girard, Jünger, dentre outros, bem como com estudos de situações históricas específicas, que tratem de compreender como as formas de violência aparecem, funcionam e se sustentam. Serão muito bem-vindos trabalhos que nos permitam entender como as pessoas optaram por e vivenciaram terrorismo, terror de estado, genocídios, colonização, guerras, revoluções, que permitam, portanto, a reflexão sobre a relação entre poder e violência nas mais diversas experiências de agressão, coação e uso da força.

Serão aceitos artigos em português, inglês e espanhol

Email: contemporânearevistanec@gmail.com

 

 

2016.2 – História e Relações internacionais, Prazo final para envio de artigos: 30/08/2016

Maiores informações no site: http://www.historia.uff.br/nec/

Dossiês Anteriores

Capa - Dossiê 1964-2014, 50 anos depois: a cultura autoritária em questão